Valor Nutricional das Frutas

 

 

 

 

 

MELO, B.

                   ALMEIDA, M.S.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Caixa de texto:  

 


 

 

 

 

 

                         A natureza é pródiga, as sementes e frutos são suas maiores bênçãos.

                                                                  Os frutos são bênção de Deus, visíveis na terra.

                    (Kaena)                                                                         

Caixa de texto:  

 

 

 


 

 

                                                             Sumário

 

As Frutas.. 5

A  Alimentação Correta Como Fator de Boa Saúde.. 7

Alimento Natural 8

Propriedades Nutricionais das Frutas.. 11

Carboidratos. 11

Proteínas. 13

Fibras. 13

Lipídios. 14

Água. 14

Vitaminas. 15

Vitamina A.. 15

Vitamina do complexo B.. 17

Vitamina B1 (Tiamina) 17

Vitamina B2 (Riboflavina) 18

Vitamina B3 (Niacina) 19

Vitamina  B 6 (Piridoxina) 19

Ácido Fólico. 20

Vitamina B 12 ( Cobalamina) 20

Vitamina C (Ácido Ascórbico). 21

Vitamina D.. 22

Vitamina E. 23

Vitamina K. 23

Minerais. 23

Cálcio (Ca) 24

Fósforo (P) 25

Ferro (Fe) 26

Potássio (K) 27

Iodo(I). 28

Caixa de texto:  

 

Sódio (Na) 28

 

TABELA: 01  VITAMINAS E MINERAIS COM SUAS FUNÇÕES. 30

A Importância das Frutas na Alimentação.. 34

Tabela 02– Composição nutricional de algumas frutas (por 100 g de porção comestível) 53

Tabela 03 – Composição nutricional de algumas frutas (por 100 g de porção comestível) 54

Importância do.Suco de fruta. 55

Tabela 04. Composição nutricional de algumas frutas antes e após o seu processamento (por 100g de produto). 55

Bibliografia.. 56

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Caixa de texto:  

 

 

 

 

 

 


 

As Frutas

 

 

  

                                       

 

         Deus colocou a natureza na vanguarda do homem e dos animais para protegê-los, principalmente na saúde, como base na própria vida, vida que lhes amplia a fé em direção ao próprio Deus.

         Nos tempos mais antigos, quando ainda não se conhecia a ciência médica, as pessoas buscavam no contato com a natureza a cura para suas doenças. Essa prática nos deixou muito conhecimento sobre o poder curativo da natureza. Porém, com o desenvolvimento científico, a medicina passou a se concentrar na invenção e melhoramento de remédios químicos, que reúnem algumas propriedades para alívio rápido das doenças: a chamada medicina alopática.

         Nas últimas décadas, um ramo da medicina voltou a prestar atenção no relacionamento do homem com a natureza e passou a lidar com tratamentos naturais como alternativa de cura e equilíbrio físico, resgatando aquela que chamamos de medicina alternativa: uma terapia que trata o ser humano usando os recursos oferecidos pela natureza.

         Diversos tratamentos alternativos surgiram nas últimas décadas ou foram resgatados dos povos mais antigos como a fitoterapia, que nada mais é do que a cura pela alimentação.  

Nessa terapia, podemos destacar um produto vegetal que a natureza oferece em  abundância, é saboroso e ainda possui inúmeros benefícios à saúde do homem: as frutas.

         No que se refere à alimentação as frutas são alimentos de alta qualidade. Elas têm sintonia com o organismo, limpando-o das toxinas por vezes acumuladas nas dobras sutilíssimas do tecidos.

         Como todos os reinos da natureza carecem de alimentação, o homem, como rei da criação, no seu próprio dizer, depende, e muito, dela, para refazer energias perdidas no labor cotidiano. 

         No mundo existem inúmeras doenças, e muitas delas surgem no ambiente que os próprios homens deturparam, com modos de vida irregulares. No campo da comida, por exemplo, o erro somente é reparado pela volta à natureza, que os espera “de braços abertos”, como a mãe que fica distanciada dos filhos, por ignorância dos mesmos. Muitos acham que voltar à natureza é voltar ao primitivismo, é esquecer a civilização, o que não é verdade. As frutas nos asseguram o equilíbrio psicossomático, fazendo-nos recuperar a alegria natural. 

           

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A  Alimentação Correta Como Fator de Boa Saúde

                     

 

                     

 

         As frutas são indispensáveis ao bom funcionamento do corpo humano. Apesar da flora brasileira ser muito rica em frutos, alguns de alto valor nutritivo, as populações não têm muito o hábito de consumi-las. É verdade que muitas frutas chegam até ao consumidor a preços altos e sem muita qualidade, entretanto percebe-se que o pouco consumo de frutas é reflexo também  da desinformação de seu valor nutricional e medicinal pela população. As frutas têm tanto valor na alimentação como para uso  medicinal.                                                                                                                                                         

Vitaminas, carboidratos, proteínas, fibras, sais minerais, fermentos, água (como o princípio da vida)  e elementos escoriáceos (celulose) são os nutrientes mais comuns nas frutas. Estes elementos são importantíssimos à nossa saúde. Qualquer fruta que comemos contribuirá para o nosso organismo, seja estimulando o apetite, purificando o sangue, criando resistência às doenças e infecções ou até contribuindo no crescimento. Comer frutas, portanto, significa adquirir saúde.

         Segundo Michael Roizen (ed. Veja 02/06/04. pg 97 a 103.) , o poder das frutas é tamanho que a ingestão de cinco porções delas por dia pode atrasar o relógio biológico em até quatro anos. A adoção de uma dieta específica, combinada a bons hábitos, ajuda a desacelerar o processo de envelhecimento. Mais que isso: pode rejuvenescer uma pessoa em até vinte anos.

É por meio de um regime alimentar que conseguimos lutar vitoriosamente contra os agentes mórbidos exteriores e vice-versa; muitas doenças se originam da alimentação defeituosa.

         O artritismo e a neurastenia, hoje tão freqüentes, a diabete, a obesidade, a enxaqueca, as doenças do estômago e do intestino, do coração, do fígado, dos rins, etc., são decorridas quase sempre em função de alimentação exagerada e irracional.

         Infelizmente, não temos a menor noção do que seja uma alimentação racional, e é por este motivo que pagamos caro as conseqüências da nossa ignorância. Atualmente, o homem agita-se numa atividade febril para garantir a sua subsistência e alcançar o que para ele é a suprema ventura, - a fortuna. Os princípios, os mais elementares de higiene alimentar, são calcados aos pés; comem-se alimentos pré-preparados, enlatados a base de corantes e conservantes artificiais (muitas das vezes cancerígenos), não se submetem os alimentos a uma mastigação cuidadosa, come apressadamente para não perder tempo e devora as refeições em 10 a 15 minutos. Para estimular o sistema nervoso, recorre aos tóxicos e excitantes, tais como o álcool, o chá, o café, etc.

         Quando, finalmente, após muitos anos de luta intensa e de sacrifício, consegue-se atingir a meta dos seus desejos, libertar-se daquele pesadelo tremendo que se chama a preocupação do dia de amanhã, a sua saúde, via de regra, estará seriamente comprometida.

 

 

Alimento Natural

 

         As frutas e os cereais não eram apenas os alimentos mais úteis aos nossos antepassados, mas também os mais econômicos. Encontravam-se por toda parte, e quando não eram encontrados, cuidava-se, desde cedo, de cultivá-los.

         Foi a civilização que veio alterar, e com grave dano para a humanidade, esse hábito milenar e precioso de só comermos alimentos naturais.

         Fugimos da alimentação natural e pura para nos entregarmos ao regime industrializado de conseqüências muitas vezes lamentável para nosso organismo. Num clima quente como o nosso, o regime de frutas é uma necessidade. São as frutas que comemos, que depuram o organismo, aliviando o sangue de suas toxinas.

         Nas frutas encontramos quase todos os elementos indispensáveis ao nosso completo desenvolvimento. E se unirmos o leite, os ovos e o mel, teremos, então, completa a lista dos nossos principais alimentos.

Os alimentos frescos numa alimentação racional têm curado mais organismos do que muitos outros processos de cura.

Conforme Dr. Paul Carton, as frutas são, para o homem, o alimento de primeira necessidade, termo que se usa para designar certa quantidade de outros produtos, mui freqüentemente malsãos, como a carne, o vinho, o açúcar, etc., e que não poderia aplicar-se, com maior propriedade, senão às frutas...

A mão agarradiça do homem, a forma da sua dentição, a conformação das suas unhas, a estrutura do seu aparelho digestivo como um conjunto, indicam, indiscutivelmente, que o homem era, em tempo primitivo, frutívoro...

As frutas têm sido os maravilhosos construtores do organismo humano... e seus alimentos mais úteis; e sem dúvida, a melhor saúde, o maior bem-estar, a mais importante soma de felicidade, só poderão ser alcançados pela humanidade mediante o retorno a uma alimentação mais natural, mais de acordo com a índole dos seus ancestrais, numa palavra, mais amplamente frutívora.

Nestes últimos anos, a maioria dos dietistas tem-se manifestado favoravelmente ao uso dos frutos e prestam justiça às suas qualidades organolépticas. Nos últimos cinqüenta anos, depois da vulgarização dos trabalhos de sábios, como Cuvier, Ovon, Dambenteou, chega-se à conclusão de que o homem é frutívoro, não só pela forma e disposição do seu sistema dentário, mas, também, pela constituição dos órgãos digestivos, e muitos afirmaram que é erro considerarmo-nos onívoros.

Estudos afirmam que os frutos são alimentos naturais do homem, mineralizantes por excelência, e é nesta fonte pura e não nos cadáveres que nos devemos apoiar para a reparação das nossas forças.

Neste alimento perfumado encontramos a vida, a alegria, pois ele é para nós o veículo apropriado, conforme a ordem estabelecida pela Natureza. Quando os frutos são bem digeridos, este modo de alimentação é o mais desintoxicante, atua como uma fonte alcalina, lava os rins e depura o sangue.

Os mestres mais autorizados da clínica e da dietética reconhecem que devido a pobreza de alguns frutos em substâncias albuminóides, esses constituem um meio poderoso de se combater o carnivorismo e o albuminismo de que tanto sofre a humanidade.

O sumo dos frutos representa reservas abundantes de hidrocarbonatos e de sais minerais; e os ácidos vegetais (ácidos cítrico, málico e tartárico) sofrem no organismo uma combustão que os transforma em gás carbônico, produzindo-se o carbonato de potássio, cuja importância desde há muito está reconhecida.

A celulose, por sua parte, desempenha um papel importante, pois, facilita mecanicamente o percurso nos intestinos, auxilia o peristaltismo, aumenta o volume do bolo fecal e facilita a sua marcha ao longo das vias que ele tem que percorrer.

É ainda nos frutos que se encontram as principais vitaminas, elementos imponderáveis, misteriosos, tão necessários à alimentação. Estes fatores acessórios, que se devem empregar na nutrição para reforçar a nossa reação de defesa, fazem classificar o seu sumo como um soro nutritivo, vivo e perfeitamente assimilável. Portanto, os frutos devem fazer  parte  integrante da nossa alimentação e ser servidos antes de qualquer outro prato, em vez de se ingerirem na sobremesa,  quando já satisfeitas as necessidades da alimentação.

Sem dúvida, na fruta temos todos os princípios essenciais para atender as nossas necessidades vitais; ela nos dá carboidratos, proteínas, fibras, sais minerais, vitaminas, fermentos, água (como o princípio da vida) e elementos escoriáceos (celulose).

Com um regime exclusivamente frutívoro, o homem pode viver em bom estado de saúde, mas é indispensável individualizá-lo devidamente. É uma dieta altamente higiênica. Não obstante, temos de considerar que os nocivos hábitos alimentares adquiridos, a inquietante complexidade da vida atual, a importância desmedida que se concede à comida suculenta, quase impossibilita a prática desta dieta ideal. O aproximar-se, na medida do possível, de uma dieta de fruta, com os conselhos de um bom guia, só podem trazer esplêndidas vantagens.

As frutas sumarentas têm um marcado poder desintoxicante e contribuem notavelmente para eliminar as impurezas orgânicas ao exterior. Ajudam, portanto, a manter uma vida sã e ao mesmo tempo em que depuram, aumentam as defesas orgânicas. Corretamente indicadas criam condições excelentes para que atuem de modo mais benéfico  vis medicatrix natural, propulsando o organismo para a saúde.

 

 

Propriedades Nutricionais das Frutas

 

 

As frutas contêm nutrientes essenciais para manter uma ótima saúde e assim o bom  funcionamento de todo o corpo. Estes nutrientes são substâncias químicas classificadas em macro e micronutrientes.

Os macronutrientes são aqueles que o corpo precisa em maior quantidade, como os carboidratos, as proteínas, as fibras, os lipídios e a água. Os micronutrientes que  são as vitaminas e os minerais são necessários somente em pequenas quantidades, mas fazem parte do grupo dos alimentos chamados reguladores, que, como o próprio nome diz, regulam o equilíbrio de todas as funções orgânicas. Cada um destes nutrientes possui funções diferentes no corpo:

 

 

Carboidratos

 

Os carboidratos desempenham papel importante nos sistemas biológicos. Sua principal função alimentar é fornecer energia, contida nos açúcares e amidos, além de celulose, hemicelulose, pectina e certas gomas.

         O total de carboidratos contidos nas frutas pode variar: menos de 2 por centro do peso fresco em algumas cucurbitáceas, como nas melancias, por exemplo, e acima de 30 por cento em frutas que contêm amido armazenado. O total de carboidratos inclui polissacarídeos confinados nas paredes celulares e açúcares, principalmente sacarose, frutose e glicose, que ficam acumuladas especialmente na seiva das células.

         As necessidades diárias de carboidratos para a alimentação humana não são estabelecidas e determinadas em quantidades, mas em energia (quilocalorias) e variam de 800 quilocalorias para bebês até 3600 quilocalorias para homens mais ativos, segundo (Manica. I).

         O amido, quando presente, fica armazenado em pequenos grãos formados inicialmente no citoplasma, mas comumente ocupa grande parte do volume celular. O amido é um carboidrato completo, quando comparado com os açúcares.

         Além do amido produzido, as frutas geralmente contêm grande quantidade de carboidratos totais (acima de 23 por centos em peso fresco) na fruta madura, a maior parte sob a forma de açúcar.

         Os açúcares presentes nos alimentos são produzidos pelos processos de fotossíntese das plantas e proporcionam o gosto característico quando consumido.

         A proporção relativa de sacarose e açúcares redutores – como glicose e frutose, monossacarídeos combinados juntos á molécula de sacarose – varia de uma planta para outra e na mesma planta de tempos em tempos. Freqüentemente, os açúcares redutores estão presentes em maiores quantidades do  que a sacarose, mas em frutos maduros como banana, abacaxi, pêssego, melão e algumas variedades de tâmaras, o conteúdo de sacarose é muito alto.

         A celulose, como parte integrante das frutas, fornece massa e material para certos processos regulatórios, como a eliminação de resíduos através dos intestinos. Dessa forma, a celulose auxilia o bom funcionamento do organismo, combate à prisão de ventre, favorece o funcionamento intestinal, principalmente em climas quentes.

         A celulose é um carboidrato que contém os mesmos elementos presentes no amido. Ela é constituída por uma longa cadeia de resíduos de B-glicose, sendo o principal polissacarídeo da parede celular. A celulose é insolúvel e indigerível pelo homem, sendo considerada à parte na tabela de alimento, como carboidrato não-utilizável.

         As hemiceluloses formam um grupo heterogêneo de composto. Suas moléculas contêm uma ou várias espécies de hexoses e pentoses de resíduos de monossacarídeos e , em alguns casos, com resíduo de ácido glicurônico. As hemiceluloses podem ser classificadas de acordo como o resíduo de açúcar predominantemente na molécula. As hemiceluloses têm baixa solubilidade na água, mas são prontamente solúveis em soluções alcalinas mais fortes.  

 

 

Proteínas

           

         Os prótides são substâncias nitrogenadas, ou melhor, substâncias compostas de carbono, hidrogênio, oxigênio e nitrogênio. São quatro os elementos que entram na composição da sua molécula, constituem-se, os alimentos quaternários. Suas pedras de construção são os aminoácidos.  

As proteínas ou protídios têm enorme importância para nós por serem os materiais de que é construído nosso organismo. Formando 16% da massa total do nosso corpo, segundo Balbach.A.

Elas fornecem elementos para a formação e crescimento do corpo (músculos, pele e ossos), reparam os tecidos dos desgastes contínuos e fornecem o material para a formação de substâncias de que o organismo necessita: enzimas, hormônios, hemoglobina, anticorpos. Além disso, as proteínas intervêm, respectivamente, na ingestão, nas secreções, no transporte de oxigênio e no sistema imunológico do organismo.

Não só os que estão na fase do crescimento necessitam de prótides, mas também os adultos, pois experimentam uma eliminação diária de certa quantidade de azoto, o que mostra a necessidade de suprir esse elemento ao organismo, para reparar a perda constante.

A quantidade de proteína necessária, por dia, é de 0,75 a 1g por quilo de peso da pessoa  (Balbach.A.).

 

 

Fibras

 

È o conjunto de alimentos vegetais não-absorvidos pelo organismo. Apesar de não fazerem parte dos nossos processos metabólicos são fundamentais para a nossa saúde, pois reduzem a absorção do colesterol e a taxa de açúcar no sangue, mantêm o bom funcionamento dos intestinos e evitam doenças como hemorróidas e câncer de cólon. Elas massageiam as gengivas, fortalecendo-a, estimulam os movimentos peristálticos e ajudam na absorção da vitamina D.

Pelo que se sabe, a constipação, ou seja, a prisão de ventre, além de desconfortável, pode gerar distúrbios mais sérios. Consumindo boa quantidade de fibras, ajudamos os intestinos a trabalhar com regularidade. No entanto, a fibra faz muito mais. A Sociedade Americana para o Câncer  explica que estudos “parecem determinar uma associação entre dietas ricas em fibras e baixa incidência de câncer e de outras doenças do cólon” (Kordich. J).

           

Lipídios

           

            Os lípedes são substâncias ternárias: na sua composição entram o carbono, o hidrogênio e o oxigênio. São ao mesmo tempo plásticos e energéticos, pois concorrem tanto para a reparação das perdas materiais do organismo, como para o suprimento de energia. Constituem substâncias de reserva no nosso organismo. São formados de ácidos graxos e glicerina, ligados em forma de ésteres. Desempenham importante papel termogênico, pois fornecem mais calor do que os próprios glúcides.

            As gorduras são alimentos importantes: produzem energia, transportam certas vitaminas, contribuem na prevenção da prisão de ventre e são umas fontes de alguns ácidos gordurosas de que o organismo necessita e que não podem ser obtidas de outra maneira. Há gorduras de origem animal e de origem vegetal.

            Normalmente, necessitamos de 0,7g por quilo de peso por dia, segundo Balbach. A.

As frutas mais ricas em gordura são: abacate, noz, amêndoa, coco e azeitona.

 

 

Água

 

 

 

 

 

É uma substância essencial para todos os tecidos do organismo. Ela é o maior constituinte do corpo, representando de 60% a 75% do peso corporal do adulto. Somente com esta quantidade de água o organismo funciona adequadamente.Ela pode ser fornecida através dos líquidos, dos alimentos e durante o metabolismo. Ela estabiliza a temperatura do corpo, leva nutrientes para as células e os produtos de excreção para longe delas e é necessária para o funcionamento celular.

 

VITAMINAS

 

São catalisadores metabólicos que regulam reações químicas dentro do corpo. Existem 13 vitaminas sendo classificadas em dois grupos: as solúveis em água (hidrossolúveis), como a C e as do complexo B, que se perdem facilmente durante o cozimento e não são armazenadas pelo organismo; e as solúveis em gordura (lipossolúveis) – A, D, E e K, que são armazenadas durante algumas semanas pelo fígado. A maioria delas são substâncias químicas que o corpo não fabrica, por isso devemos obtê-las através da alimentação. As vitaminas não são uma fonte de energia, mas é  importante no processo de transformação dos alimentos em energia.

 

 

Vitamina A

 

A vitamina A foi a primeira a ser identificada, em meados da década de 10, simultaneamente, por Osborne e Mendel e por Maccollum e Davis. Foram este que nominaram de “fator dietético não-identificado lipossolúvel A”, o que marcou a origem da atual designação alfabética para as vitaminas. Não foi o fato, porém, de ser a vitamina mais antiga que a tornou a mais estudada entre todas, mas porque sua deficiência pode se transformar em sérios problemas de saúde de morbidade e mortalidade infantis, principalmente em alguns países da Ásia e da África, onde a carência de vitamina A é a principal causa de cegueira não-acidental.

 Calcula-se que nos países em desenvolvimento há cerca de 250.000 casos anuais de cegueira em crianças, devido à carência de vitamina A. O termo “vitamina A” é genérico e refere-se a todos os retinóides com atividade biológica de vitamina A, incluindo uma ampla variedade de compostos naturais e sintéticos.

Existem três formas de vitamina A no organismo, todas ativas: retinol (álcool), retinaldeído (aldeído) e ácido retinóico (ácido). O retinol se oxida reversivelmente a retnaldeído no organismo e este a ácido retinóico (oxidação irreversível). O primeiro composto é responsável pelo transporte e armazenamento da vitamina e o segundo no ciclo visual, sendo, ambos, na função reprodutora. O ácido retinóico possui atividade parcial de vitamina A, pois é a forma ativa na diferenciação celular, não atuando na visão e reprodução.

Entre as frutas mais ricas em carotenóides biologicamente ativos são aquelas de cor, amarela-alaranjada. O fato de um vegetal ser alaranjado ou vermelho não lhe garante possuir atividade de vitamina A. As frutas, de uma maneira geral, não são consideradas boa fonte de caroteno, mas existem exceções entre as frutas tropicais e subtropicais, como manga, mamão, morango amarelo, morango roxo, damasco seco, banana e goiaba.

A principal e mais conhecida função da vitamina A é participar do processo visual, embora atue, também, na manutenção da pele e das mucosas (por participar da diferenciação das células epiteliais e das células caliciformes, que sintetizam e secretam muco), bem como no crescimento e reprodução. Falhas no crescimento são comuns em crianças com deficiência em vitamina A. O estado de vitamina A pode influenciar, também, o sistema imunológico e a expressão genética. Por isso, ela é essencial na manutenção de resistência às infecções, tanto que, em crianças desnutridas, sua deficiência leva a um maior risco de diarréias, doenças respiratórias e sarampo. Estudos revelam que a vitamina A influencia também, na  síndrome da tensão pré-menstrual podendo ser prevenida pelo emprego de vitamina A cerca de dez dias antes da data de menstruação.

A vitamina A é fundamental para o ciclo visual. A deficiência de vitamina A interfere  na visão, acarretando a condição conhecida como cegueira noturna (nictalopia).

Os sinais e sintomas de deficiência de vitamina A caracterizam-se por alterações em órgãos e tecidos de origem ectodérmica, lesões da pele, como a hiperqueratose folicular e infecções; estes são os sinais mais precoces da deficiência, porém a manifestação mais reconhecível é a cegueira noturna que, como já assinalamos, somente aparece quando a deficiência é grave.

Atualmente as necessidades nutricionais de vitamina A são expressas em retinol.

Para as crianças de seis meses até um ano de idade as necessidades são de 400 mcg de retinol. Para o adulto normal a taxa é de 750 mcg de retinol ou 2500 UI de vitamina A. para as gestantes e lactantes essas doses devem receber um acréscimo de 1000 a 2000 UI de vitamina A ou a sua conversão a retinol.

Constitui um capítulo dos mais importantes não só em terapêutica, como em nutrição, as diversas interações que podem ocorrer entre medicamentos x medicamentos e medicamentos x alimentos. As interações entre alimentos também apresentam grande importância, sendo seu estudo ainda relativamente pequeno.

Interações entre medicamentos e a vitamina A:

A colestiramina pode induzir a deficiência de vitamina A.

A isotretinoina é uma substância relacionada  à vitamina A e pacientes em que a droga é admistrada podem inibir toxicidade da vitamina A, como diarréia, aneroxia, irritabilidade, cefaléia, fraqueza muscular, perda de peso, pele escamosa e queda de cabelo.

Kanamicina – pode alterar a absorção das gorduras e acarretar malabsorção das vitaminas A e K.

Óleos minerais – possíveis deficiências de vitaminas A, D e K.

 

Vitamina do complexo B

 

Vitamina B1 (Tiamina)

 

            A tiamina ou vitamina B1 fortifica os nervos, previne o beribéri, provoca apetite, ajuda a digestão e assimilação dos alimentos, regulando o metabolismo dos carboidratos nas fases intermediárias de transformação e queima da molécula.

            É necessária ao crescimento normal e à reprodução. Em doses adequadas serve de proteção contra o beribéri (doença que ataca os nervos e produz edemas), inapetência e fadiga (diminuição da resistência física) e é essencial ao bem-estar geral do organismo, além de proteger contra moléstias do sistema nervoso (irritabilidade e insônia). A carência de tiamina afeta o aparelho digestivo, a musculatura e a circulação com aparecimento de edemas (inchações) e má digestão.

            Segundo Thalino Botelho, a absorção da tiamina dá-se principalmente no intestino delgado, mas também no grosso , e , uma vez absorvida, dirige-se aos vários tecidos e órgãos, sobretudo para o fígado e coração que são os órgãos mais ricos em tiamina, mas também para os rins, cérebro, glândulas supra-renais, baço, pulmões e para os músculos que contêm, a despeito de sua concentração relativamente baixa, metade de toda a tiamina do organismo.

            As necessidades de tiamina requeridas pelo organismo humano dependem do suprimento de calorias e mais particularmente da ingestão de carboidratos, uma vez que ela está ligada ao metabolismo dos carboidratos. As necessidades diárias em tiamina ou vitamina B1 foram estabelecidas entre 0,3 e 1,4 miligrama diário na Inglaterra, sendo que muitos especialistas consideram necessária a ingestão diária de 1 a 2 miligramas para um adulto normal (Manica. I).

Mesmo em doses elevadas, a tiamina não é tóxica. Os eventuais excessos ingeridos são eliminados pelos rins.

Os frutos que contêm maiores porcentagens de tiamina ou vitamina B1 são: tamarindo, amêndoa, amendoim assado, figo seco, ameixa seca, uva-passa, pomelo e laranja.

 

Vitamina B2 (Riboflavina)

 

            É um componente termoestável do complexo B, muito importante como fator preventivo da pelagra. Tem a função de co-enzima de sistemas que intervêm nas oxidações celulares.

            A riboflavina é fundamental ao funcionamento normal do sistema nervoso, à reprodução e à amamentação, além de estimular o apetite. Ela é essencial à nutrição e contribui para a boa saúde da pele.

            Quando há deficiência de riboflavina ou vitamina B2, a conseqüência imediata é o aparecimento de lábios doloridos, vermelhidão, pele seca e descascamento ao redor da orelha, boca, nariz, e a língua fica vermelha. Em alguns casos ocorre crescimento retardado, queda de cabelos e envelhecimento precoce.

 As carências de vitamina B2 costumam acompanhar as faltas de outras vitaminas.Manifestações de excesso, não é tóxica, mesmo em altas doses.

As quantidades diárias de riboflavina ou vitamina B2 para a alimentação humana, foram determinadas entre 0,4 a 1,7 miligrama por dia. Autoridades no assunto, porém, estimam as necessidades para um adulto normal entre 1 e 2 miligramas por dia (Manica. I).

           

Vitamina B3 (Niacina)

           

            A niacina é necessária ao crescimento normal, à pele e ao intestino. Em quantidades adequadas para o organismo evita a pelagra, cujos sintomas são: fraqueza geral, perda de apetite, perda de peso e, nos casos extremos, boca dolorida, distúrbios nervosos e erupções cutâneas.

 

Vitamina  B 6 (Piridoxina)

 

A principal função da vitamina B6 é uma coenzima que interferem no metabolismo das proteínas, gorduras e triptofano. Atua na produção de hormônios e é estimulante nas funções defensivas nas células. Participa no crescimento dos jovens e no combate da pelagra.

A necessidade diária de Piridoxina é diretamente proporcional à ingestão de proteínas na dieta. Por exemplo, quem ingere 100 g/dia de proteínas necessita receber 1,5 mg/dia de piridoxina. Mulheres grávidas, fumantes e alcoólatras têm necessidade de doses maiores da vitamina B6. As principais fontes são cereais, carnes, frutas e verduras. O cozimento reduz os teores de B6 dos alimentos.

Manifestações de carência são muito raras, mas podem apresentar lesões seborréicas em torno dos olhos, nariz e boca acompanhados de glossite e estomatite. Quanto ao sistema nervoso, a carência de vitamina B6 pode provocar convulsões e edema de nervos periféricos, havendo suspeitas de que possa provocar a síndrome do túnel carpiano. Distúrbios do crescimento e anemia são atribuídos à carência de vitamina B6.

 A Piridoxina tem baixa toxicidade aguda, mas doses de 200 mg/dia, tanto por via oral como parenteral, podem provocar intoxicações neurológicas, surgindo sintomas como formigamento nas mãos e diminuição da audição foram relatados casos de dependência da piridoxina.

 

 

 

Ácido Fólico

 

            O acido fólico, é também denominado de  “vitamina da futura mamãe”. É imprescindível para mulheres antes da concepção e no primeiro mês da gravidez, a fim de evitar doenças congênitas na criança, como anencefalia e espinha bífida.

            Atua em conjunto com a vitamina B12 na transformação e síntese de proteínas. É necessária na formação dos glóbulos vermelhos, no crescimento dos tecidos e na formação do ácido desoxiribonucleico que interfere na hereditariedade.

O ácido fólico tem um papel na prevenção de doenças cardiovasculares, principalmente nos portadores de distúrbios metabólicos em que há um aumento da hemocisteina no sangue, onde atua como redutor dessa substância tóxica.

            A dieta habitual contém em torno de 0,2 mg de ácido fólico. O cozimento

prolongado dos alimentos pode destruir até 90% do seu conteúdo em ácido fólico.

 

 

 Vitamina B 12 ( Cobalamina)

 

            Vitamina B12 é um dos mais poderosos antianêmico conhecidos, sendo uma substância que age favoravelmente sobre as degenerações nervosas decorrentes da anemia perniciosa. 

É essencial para o crescimento de replicação celular e importante na formação das hemácias (os glóbulos vermelhos do sangue).

As principais fontes são carne e fígado. As frutas e os  vegetais, não contêm vitamina B12. Isso poderia levar os vegetarianos a apresentarem a sua falta. Contudo, isso nem sempre acontece porque bactérias contaminantes dos vegetais, ou mesmo as do trato intestinal, agindo sobre os restos desses vegetais, formam a vitamina B12 e, assim, suprem parcialmente o organismo daqueles que não ingerem carne, fígado, ovos ou leite e seus derivados.

A carência de vitamina B12 é comum em pessoas operadas do estômago quando foi retirada a parte que produz o fator intrínseco, responsável pela absorção da vitamina B12. São propensos a apresentarem manifestações de falta de vitamina B12 os vegetarianos restritos (que não ingerem carnes, ovos, leite e seus derivados), os portadores de parasitoses intestinais, as pessoas operadas do pâncreas, os portadores de doenças inflamatórias crônicas dos intestinos e os idosos.

 

 

Vitamina C (Ácido Ascórbico).

 

            O acido ascórbico é, talvez, a mais conhecida das vitaminas. Age como antisséptico, protegendo os tecidos, as juntas e os ligamentos contra inflamações. Evita o amolecimento e os sangramentos das gengivas. Combate gripes e resfriados. Estudos recentes indicam que a vitamina C pode ajudar a prevenir o câncer gástrico e do esôfago.    

Tem atuação nos processos de respiração celular, na atividade das enzimas, na estimulação dos centros formadores dos glóbulos sangüíneos, no mecanismo de coagulação, na absorção do ferro, na fagocitose (destruição dos micróbios por meio de certas células vivas do organismo, que absorvem as bactérias e as digerem), na defesa do organismo contra infecções, no equilíbrio dos hormônios sexuais, na formação das substâncias intercelulares e no aumento da resistência ao frio e ao calor.

            A ingestão diária de alimentos ou produtos que contenham vitamina C é necessária ao funcionamento normal do organismo e, particularmente, nos casos agudos e crônicos de hipovitaminose C.

 A vitamina C, quando presente em quantidades adequadas no organismo, evita e  cura o escorbuto (tendência a hemorragias), mantém a energia dos vasos capilares, promove a cicatrização de ferimentos e protege o corpo contra doenças ou enfraquecimento geral.

Quando o organismo está carente de vitamina C, há enfraquecimento geral, grande perda da capacidade física e psíquica, predisposição a outros distúrbios fisiológicos e ao aparecimento de doenças.

No caso de deficiência prolongada de vitamina C no organismo, podem ocorrer sangramentos das gengivas, dentes frouxos, juntas doloridas, perda de apetite e de peso, fadiga geral e, em caso extremo, o aparecimento do escorbuto.

A vitamina C tem sido empregada em altas doses como medicação auxiliar no tratamento de gripe, resfriado, afecções pulmonares, tuberculose, hepatite e cirrose (endurecimento do órgão em conseqüência do aumento de tecido conjuntivo), esclerose, câncer, colecistite (inflamação da vesícula biliar) e coletíases (cálculos biliares). Foram observados resultados positivos no tratamento de reumatismo, stresse, doenças febris, diabetes, no choque pós-operatório, em acidentes e no controle de hemorragias (MANICA, I).

As frutas que mais contêm  vitamina C são : acerola,laranja,limão,goiaba, mamão,caju, pomelo, abacaxi, maracujá amarelo, maracujá roxo, etc.

O suco de frutas, consumido em grande quantidade é importante como fonte de vitamina C. O hábito de tomar suco oferece todos os componentes de vitamina existente na fruta, inclusive os bioflavonóides, que se encontram nas partes brancas das frutas cítricas, nas nervuras dos pimentões e nas folhas das hortaliças verdes.

As quantidades de vitamina C recomendadas na alimentação humana para as diferentes idades e atividades, variam de 15 a 60 miligrama.   

 

 

Vitamina D

 

            É um grupo de vitamina (D¹,D²,D³). São indispensáveis para manter e mobilizar o cálcio e o fósforo no organismo. Tornam fortes e bem conformados os dentes e fazem parte integrante dos ossos. Sua carência provoca o raquitismo e é uma causa predisponente da cárie dentária. São produzidas no corpo pela ação dos raios ultra-violeta do Sol sobre a pele, onde se acha o ergosterol, uma provitamina D.

            “A fonte de eleição (da vitamina D) é, sempre que possível, a exposição à luz solar e isso porque mesmo pela superirradiação está apurado não haver sinais de hipervitaminose que surgem quando do abuso de doses de preparações ou concentrados de vitamina D (supercalcificação de ossos que se tornam então frágeis, calcificações de artérias, etc.)”. – Thalino Botelho, Acesso à Alimentação Racional, pág. 128.

            Expondo ao sol, de manhã, as frutas, muitas das quais, como a banana, que contêm o ergosterol, que, com esse recurso, se transformam em vitamina D.

            Alguns especialistas aconselham, principalmente em países de clima frio e temperado, o uso de alimentos enriquecidos ou fortificados com vitamina D, com uma dose diária de 5mcg.

Vitamina E

 

            Conhecem, nesse grupo, três tipos: alfa, beta e gama tocoferóis. Sua função específica é garantir a normalidade da reprodução e do metabolismo muscular e previne contra distúrbios cardiovasculares e neurológicos. Sua deficiência provoca a esterilidade. No macho, verifica-se a degeneração do epitélio germinativo testicular, azoospermia (esterilidade irreversível). Na fêmea, o embrião desenvolve-se por alguns dias, depois se atrofia, morre e é reabsorvida com a própria placenta (esterilidade por reabsorção do ovo). Alguns autores aconselham a dose de 2miligramas durante a puberdade e  4 ou 5 no estado de gravidez (BALBACH, A).

 

 

Vitamina k

 

            É um grupo de vitaminas (k¹, k²,k³). Sua função específica é assegurar a coagulação do sangue, graças à sua ação anti-hemorrágica e ajuda na mineralização dos ossos.

            Há evidências de que a vitamina K pode reduzir a ocorrência de alguns cânceres, tais como os de pulmão, ovário e mama.

            Aconselham uma dose diária de 80 mcg.

 

 

MINERAIS

 

Os minerais constituem um grupo de elementos largamente distribuídos na natureza e que exercem papel dos mais importantes em diversas funções e setores do organismo humano.

Os minerais integram o corpo humano sob forma sólida, através da rigidez do esqueleto e dos dentes, assim como dos tecidos moles e os músculos, atuando ainda como co-fatores em diversos processos enzimáticos, e sob forma de sais solúveis nos líquidos orgânicos, agindo como eletrólitos, proporcionando-lhes a acidez ou a alcalinidade necessárias. São, portanto, essenciais à manutenção de várias funções de grande importância fisiológica como na contratilidade muscular, na função dos nervos, na coagulação sangüínea, nos processos digestivos, no equilíbrio ácido-básico, no  transporte de oxigênio, entre outros.

 

Cálcio (Ca)

 

Macroelemento, quinto mineral mais abundante no organismo, atingindo 1,5 a 2,0% do peso corpóreo, sendo a quase totalidade encontrada no tecido ósseo e nos dentes (99%) e o restante (1%) no sangue e tecidos moles.

As modificações do esqueleto freqüentemente observadas na velhice ocorrem quando há predominância da reabsorção óssea, assim como uma diminuição na quantidade absoluta de tecido ósseo (osteosporose). No adulto normal, a absorção e reabsorção são equilibradas com calcificação ou mineralização e desmineralização dependentes do teor de cálcio e de fósforo no sangue, do líquido extracelular e do funcionamento normal das células da matriz.

A absorção do cálcio é influenciada por diversos fatores, como a quantidade adequada de vitamina D, o pH ácido da parte superior do trato gastrointestinal, onde existe maior acidez que na parte terminal, assim como da motibilidade normal dessa parte no intestino, que diminui. Grandes quantidades de lipídios, fitatos ou oxalatos podem interferir na absorção de cálcio, assim como glicocoticóides, diminuindo sua absorção.

A função primordial do cálcio, assim como a do fósforo, é a formação dos ossos e dos dentes.

Outra função importante do cálcio é a coagulação sangüínea, que necessita de um nível normal de cálcio para formação do coágulo sangüíneo.

O cálcio exerce papel vital na contração e relaxamento muscular, movimentando os processos bioquímicos que ocasionam a sua entrada na célula muscular; através da estimulação nervosa, coloca em movimento os processos bioquímicos que causam a ação simultânea das proteínas miosina e actina, que contraem a célula encurtando-a e espessando-a.

O cálcio também é importante ativador de várias enzimas, como a adenosina trigosfatase (ATPase), que libera a energia para contração muscular; a absorção de tiamina, através da parede do intestino delgado, requer também a presença de cálcio. A coagulação do leite no estômago é feita pela ação de uma enzima proteolítica, a renina ou labfermento que, para atuar, exige a presença de cálcio.

Como causas principais de deficiência estão a privação de cálcio e vitamina D, originadas pela malabsorção ou dietas inadequadas. Esse estado acompanha-se pela diminuição do limiar de fósforo, de baixa de proteínas totais do plasma, sendo comum a hipomagnesiemia. A hipocalcemia estimula a liberação do PTH (paratormônio), que ocasiona mobilização do cálcio dos ossos e desmineralização. A hipocalcemia associa-se  freqüentemente à insuficiência renal avançada, assim como ao diabete, à síndroma do intestino curto, doença hepática e renal, gastrectomia, hipertiroidismo, imobilização prolongada, deficiência de vitamina D, terapia com diuréticos (flurosemida) e menopausa, que diminui a absorção, assim como o consumo de álcool.

As melhores fontes de cálcio são os queijos, verdadeiros concentrados de leite, cujo teor em algumas variedades chega a ultrapassar 1g% e cujo cálcio é de alto valor biológico. Outras fontes são o leite, o melado,  alguns vegetais e frutas. Entre as frutas destacam figo, damasco, tamarindo, jaca e laranja.

As necessidades diárias de cálcio estabelecidas pelo Ministério da Agricultura de Inglaterra, para o organismo humano, de acordo com a idade e atividade, variam de 0,5 a 1,2 grama (MANICA, I).

 

Fósforo (P)

 

            É um mineral a todos os tecidos do organismo. Encontra-se unido ao cálcio nos ossos e dentes, é indispensável para a oxidação dos carboidratos nas reações sob o controle de enzima e, além disso, ajuda a manter a neutralidade do sangue, na condução dos impulsos nervosos e no controle da atividade celular.

            As necessidades diárias de fósforo para o organismo humano foram estimadas em 1,1 a 1,4 grama (MANICA, I).

            As frutas que contêm maiores quantidades de fósforo são: castanha do Pará, tamarindo, macadâmia, uva itália, figo, pêssego e abacate.

 

 

Ferro (Fe)

 

É essencial à formação da hemoglobina e seu corante, assim como em diversos processos biológicos. O organismo humano contém pequena quantidade de ferro, menos que 5g, teor este que não corresponde à sua importância vital, representando o sangue 7% do corpo contendo 70% desse metal. Sua concentração sangüínea é 10 vezes maior do que a de todo o corpo e 30 vezes mais que a média de outras partes do organismo.

O ferro é elemento essencial das citocromo-catalase e peroxidase, das enzimas metaloflavoproteinas, incluindo a xantino-oxidase e da enzima mitocondrial alfa-glico-fosfato-oxidase. A deficiência de ferro pode afetar o metabolismo no músculo, independentemente da anemia, da liberação de oxigênio; isso pode se refletir numa redução da atividade das enzimas citocromo-oxidase, por exemplo.

A deficiência de ferro é a causa mais comum da anemia nutricional no homem, pois 80% do ferro presente no organismo acham-se relacionados na manutenção da produção de hemácias. A deficiência de ferro também pode ocorrer na população quando apresenta hábitos alimentares defeituosos, e na alimentação de crianças, quando o desmame é feito tardiamente. A deficiência de ferro é encontrada ainda em grande proporção nos países subdesenvolvidos calculando-se em cerca de 100 milhões de atingidos.

            Nas frutas, as maiores quantidades de ferro estão na tamarindo, amêndoas, figo, laranja , etc...

            As necessidades diárias de ferro estabelecidas pelo Ministério da Agricultura da Inglaterra, para o organismo humano de acordo com a idade e atividade, variam de 6 a 15 miligramas, mas outras autoridades no assunto estabelecem as necessidades deste elemento para um adulto, variando de 12 a 30 miligramas por dia.   (MANICA, I).

 

Potássio (K)

 

 O potássio é um elemento mineral importante, sendo o cátion predominantemente intracelular, estando em equilíbrio nas células com os íons cloro, bicarbonato e nas hemácias com as proteínas, exercendo papel de relevo como catalisador no metabolismo energético, no metabolismo dos glicídeos e no armazenamento do glicogênio e das proteínas. O potássio é cerca de duas vezes mais abundante que o sódio no organismo, mantendo o equilíbrio energético com os íons sódio, sendo necessária uma pequena quantidade de potássio no líquido extracelular para o metabolismo no músculo.O potássio exerce diversas funções em vários sistemas e órgãos, sendo as principais:

 

A – é um dos fatores que intervêm na regulação osmótica e equilíbrio hídrico do organismo.

B – sob forma ionizada, concorre para a manutenção do equilíbrio ácido-básico, sendo sinérgico do sódio, atuando ambos como alcalinos, ao contrário do cloro, que age como ácido.

C – o potássio ionizado  exerce papel significativo na atividade dos músculos estriados, face à sua capacidade de aumentar a excitabilidade da célula e inibi-la quando em elevada concentração.

D – o potássio atua no metabolismo dos glicídios; quando a glicose sangüínea sofre conversão em glicogênio para armazenamento, o potássio também sofre armazenamento com o glicogênio.

E – o potássio interfere na síntese protéica, sendo necessário para o armazenamento de proteína muscular. No caso da administração de aminoácidos para proporcionar a ressíntese das proteínas musculares, deve ser incluída a administração de potássio para assegurar a retenção nitrogenada.

F – participa de três sistemas tampões de hemácias.

G – atua na transmissão nervosa, na tonicidade muscular, na função renal e na contração da musculatura cardíaca.

O potássio é encontrado em quase todos os alimentos, nas frutas sendo  mais encontrado na banana.

 

Iodo(I)

 

            O iodo é um elemento importante na composição da tiroxina e , quando presente no organismo em quantidade adequada, ajuda no controle da saúde em geral e no sistema nervoso, sendo encontrado principalmente nos tecidos, na tireóide e no sangue.

 

 

Sódio (Na)

 

 É o íon de carga positiva encontrado em maior teor nos líquidos extracelulares do organismo humano, achando-se neles em equilíbrio com o íon negativo cloro, agindo com outros eletrólitos, especialmente o potássio no líquido extracelular, para manter a pressão osmótica do sangue, plantas e fluidos intercelulares e a manutenção do equilíbrio hídrico no interior do organismo, na transmissão dos impulsos nervosos e relaxamento muscular. É importante para a manutenção do equilíbrio ácido-básico.

Suas principais funções são:

-         sob forma inonizada, o sódio é um dos principais fatores da regulação osmótica do sangue, plasma, fluidos intercelulares e do equilíbrio ácido-básico.

-         É essencial à motibilidade e `a excitabilidade muscular;

-         A permeabilidade é afetada pela bomba do sódio com o metabolismo da glicose e as trocas de sódio;

-         Essencial para distribuição orgânica de água e volume sangüíneo.

-         A deficiência de sódio pode ser aguda e menos aguda. Na aguda, são observadas manifestações como letargia, fraqueza progredindo rapidamente para convulsões e morte. Na menos aguda, fadiga, anorexia, diarréia, oligúria, hipertensão.

A dieta humana contém habitualmente nos alimentos quantidade adequada para    evitar, em condições normais , sintomas de deficiência, porém é hábito adicionar de 6 a 15 g de cloreto de sódio diários, como cota suplementar, contendo a dieta comumente teor de sódio e de cloro acima de suas necessidades, como ocorre em alguns povos em que a hipertensão arterial é encontrada em índice apreciável entre sua população.


 

TABELA: 01  VITAMINAS E MINERAIS COM SUAS FUNÇÕES

VITAMINAS

FUNÇÕES / IMPORTÂNCIA

CARÊNCIA / EXCESSO

FONTES

Vitamina A

Importante para a saúde da pele, olhos, dentes, cabelos e ossos. Ajuda no crescimento e aumenta a resistência de infecções em crianças.

Carência – cegueira noturna, lesões e ressecamento de pele e mucosas, retardo no crescimento

Excesso – Perda de apetite, amarelamento da pele, queda de cabelo, pele seca, fragilidade óssea.

Tomate, leite, manteiga, verduras amarelas, fígado, abóbora, folhosos verde escuro, gema de ovo, melão, pêssego.

Vitamina B1 ou

Tiamina

Importante para o funcionamento dos músculos e cérebro, facilita a absorção dos glicídios principalmente no cérebro.

Redução do apetite, cansaço, obstipação, irritabilidade fácil, esquecimento, raciocínio lento, inchaço dos pés e mãos, perda de peso, debilidade muscular, fraqueza, taquicardia.

Frango, batata doce, banana, cereais integrais, frutas, arroz, leite, carnes, vísceras, nozes, legumes, gema de ovo, levedura

Vitamina B2 ou Riboflavina

Favorece o crescimento, formação das células vermelhas do sangue, integridade da pele, mucosas e da visão.

Sensibilidade ocular (coceira, ardência, fotossensibilidade), dor de cabeça frontal, língua inchada e avermelhada, queilose (rachaduras nos cantos da boca), seborréia, lesões na pele.

Cereais, aves, peixe, fígado, leite e seus derivados, banana, lentilha, cenoura, frango, carnes, cereais integrais, folhosos verde escuro, ovos.

Vitamina B3 Nicotinamida ou 

ácido nicotínico ou niacina

Importante para a produção de energia nas reações celulares.

A carência severa causa a Pelagra (doença caracterizada pôr 3D=dermatite, demência, diarréia) , tremores, língua amarga. Além de fraqueza musculares, diminuição do apetite, indigestão, insônia, fadiga.
Seu excesso pode causar o esgotamento do músculo cardíaco.

 

Ameixa, peixe, carnes, figo, tâmara, amendoim, grãos integrais, legumes

Vitamina B5 ou

Ácido Pantotênico

Importante para a integridade da pele e mucosas, saúde capilar, e nos processos de cicatrização.

Sua carência pode causar dores de cabeça, náuseas e vômitos.

Carne de soja, gema de ovo, carne, pescado, cereais, tomate, levedura.

Vitamina B6 ou Piridoxina

Atua nos processos de : obtenção de energia dos alimentos, regulação da pressão arterial e função cardíaca, produção de anticorpos

Sua carência causa cansaço, vertigens, irritabilidade, convulsões,, lesões na pele, anemia, sonolência, depressão, perda de apetite.
Fatores que levam à carência – pacientes cardíacos, alcoolismo, uso de anticoncepcionais, idosos, adolescentes.

Carne, picado, verduras, cereais, frutas, frango, vísceras, grãos, banana, melão, ovo, repolho, batata doce.

VitaminaB9 ou
Ácido Fólico

Atua em diversas funções metabólicas.

Sua carência causa transtornos neurológicos e cutâneos, anemia, alterações digestivas – diarréia -, gengivites.

Carne, leite, couve-flor, brócolis, espinafre, gérmen de cereais, batatas, legumes, fígado, folhas verdes, lentilha, feijão corda,

Vitamina B12 ou  Cianocobalamina

Atua na formação dos glóbulos vermelhos do sangue, na integridade das células nervosas da pele, e na formação do DNA.

Sua carência causa anemia com os sintomas de cansaço, falta de ar, palidez cutânea, dores de cabeça, irritabilidade, predisposição à infecções, perda de memória, diarréia e redução da absorção de nutrientes, inflamação na língua.
Fatores que levam à carência – cirurgia intestinal, uso abusivo de antiácidos, álcool, tabagismo, doenças gástricas (gastrite, gastroenterites, etc.).

 

Crustáceos, pescados, verduras, cereais, frango, banana, lentilha, leite e derivados, cenoura, batata doce, vísceras, carne vermelha.

Biotina

Auxilia na digestão das gorduras e em várias reações químicas do organismo.

Sua carência causa alterações na pele, palidez, perda de apetite, dores musculares, insônia, dores no peito, aumento de colesterol, cansaço, náuseas, transtornos mentais.
Um dos fatores que levam à carência é o uso em grande quantidade de clara de ovo crua.

Carne branca, gema de ovo, leite, legumes, cereais, nozes, chocolate, castanha.

Vitamina C

Previne hemorragias, protege os pulmões da ação dos resfriados e poluentes. Auxilia na absorção de ferro presente nos alimentos vegetais, mantêm a integridade da pele e mucosas e auxilia na cicatrização, além de fortalecer o sistema imunológico.

Fadiga, falta de apetite, emagrecimento, feridas na boca, fragilidade capilar, hemorragias, queda de cabelos.
ATENÇÃO: Suas necessidades são aumentadas em período de estresse e por fumantes.

 

Caju, acerola, goiaba, legumes, couve-flor, batata, aspargos, tomate, mamão, frutas cítricas, morango, abacaxi, pimentão verde.

Vitamina D

Contribui para a formação dos ossos e dos dentes, previne o raquitismo. Facilita a absorção do cálcio e fósforo.

Carência – raquitismo, fragilidade óssea (fraturas), dentes fracos, deformidades esqueléticas.
Excesso – calcificação óssea excessiva, cálculos renais, dor de cabeça, náuseas e diarréia.

Óleos vegetais, atum, sardinha, gérmen de trigo, ovos, luz solar (converte próvitamina D do organismo em vitamina D), óleo de fígado de peixe, salmão, leite, queijo.

Vitamina E

É antioxidante e atua protegendo a membrana celular, ajudando a retardar o envelhecimento.

Carência – Anemia e envelhecimento precoce, além de alterações musculares.

Ovos, gérmen de trigo, verduras cruas, iogurte, óleos vegetais, folhosos, amendoim, leite, manteiga, espinafre.

Vitamina K

Fundamental para a coagulação sangüínea.

Carência – deficiência na coagulação sangüínea, hemorragias.
Excesso – hemorragias com placas vermelhas na pele.

 

Ovo, iogurte, alface, brócolis, fígado, verduras cruas, couve-flor, óleos vegetais, repolho, soja, espinafre.
ATENÇÃO: é importante lembrar que uma parte da vitamina K é produzida no próprio organismo

 

MINERAIS

FUNÇÕES / IMPORTÂNCIA

CARÊNCIA / EXCESSO

FONTES

Sódio (Na)

É essencial a motilidade e excitabilidade muscular e na distribuição orgânica de água e volume sangüíneo

Carência – lentidão de movimentos, fraqueza e cãibras musculares, apatia, falta de apetite redução do volume urinário, convulsões.
Excesso – Pressão alta, dores de cabeça, delírio, parada respiratória, eritema da pele.

Os alimentos de origem animal contêm mais Na do que os de origem vegetal. As principais fontes são o sal de cozinha, carnes bovina e suína, leite e derivados, batata, grãos, acelga, frango, fígado, abacate, beterraba, enlatados, embutidos, carnes industrializadas e queijos

Potássio (K)

Atua no equilíbrio de água do organismo, ajuda no armazenamento de proteínas musculares, na função renal, na contração do músculo do coração e na tonicidade muscular, promove também o crescimento celular

Carência – vômitos, distensão abdominal, redução ou ausência de reflexos, dificuldade para respirar, hipotensão (pressão baixa), dilatação cardíaca, arritmia, fraqueza muscular.
Excesso – cãibras, paralisia muscular, confusão mental, distúrbios cardíacos, respiração fraca, dor nas extremidades do corpo, parestesia.

Amendoim, frutas (melão, banana), carnes, aves, leite, cereais integrais, castanha de caju, espinafre, batata doce e inglesa, água de coco.

Cálcio (Ca)

Atua na construção de ossos e dentes, na coagulação sangüínea. Tendo também papel fundamental na contração e relaxamento muscular, é necessário para transmissão nervosa e regulação dos batimentos cardíacos.

Carência – deformidades ósseas (osteoporose, osteomalácia e raquitismo), convulsões, paralisia muscular, hipertensão.
Excesso – Calcificação excessiva dos ossos e tecidos moles, interferência na absorção do ferro, falência renal, comportamento anormal (psicose).

Vegetais de folhas escuras (couve, mostarda, brócolis, etc.), sardinha, moluscos, ostras, salmão, leites e derivados, ovos, cereais,, feijão e frutas.

Fósforo (P)

Integra a estrutura dos ossos e dentes, atua na contração muscular e participa ativamente no metabolismo dos carboidratos.

Carência – dor óssea, osteomalácia, hipoparatiereoidismo, resistência à insulina, delírios, perda de memória, taquicardia, cãibras, dores musculares.
Excesso – confusão mental, sensação de peso nas pernas, hipertensão.

Leite, carne bovina, aves, peixes, ovos, cereais, leguminosas, chás, café, frutas, castanha de caju, trigo, queijo.

Magnésio (Mg)

Está envolvido na formação de ossos e dentes, no funcionamento do sistema nervoso e muscular, e na formação de proteínas.

Carência – perda de apetite, náusea, vômito, sonolência, tremores, taquicardia, arritmia, atraso no crescimento.
Excesso – pressão baixa, problemas respiratórios, distúrbios no rítimo cardíaco.

 

Vegetais folhosos, cereais, grãos, frutos do mar e sementes, leite, carne, gérmen de trigo, centeio, farinha de soja, avelã.

Ferro (Fe)

Está envolvido na função imunológica, é essencial para a formação e transporte da hemoglobina, e tem um papel importantíssimo no transporte respiratório de oxigênio e gás carbônico.

Carência – anemia, dor de cabeça, fadiga, baixa resistência a infecções, fraqueza, feridas canto da boca, diminuição do paladar
Excesso – gasto metabólico, dor de cabeça, convulsões, náuseas, vômitos, febre, suor, pressão baixa.

 

Mariscos, fígado, açaí, brócolis, feijão, banana, carne magra, melaço de cana, frutas secas, ostras, aves, peixe, vegetais verde escuro – exceção do espinafre .

Zinco (Zn)

Participa do metabolismo dos nutrientes (carboidratos, lipídios e proteínas), também está envolvido na função de defesa do organismo e expressão da informação genética.

Carência – retardo no crescimento, atraso na maturação sexual, diminuição do paladar, lesões na pele, falta de apetite.
Excesso – náusea, vômito, diarréia.

 

Carne bovina, peixes, aves, leites e derivados, ostras, mariscos, cereais, aveia, grão de soja.

Iodo (I)

É parte integrante dos hormônios tireoideanos.

Carência – bócio, durante a gestação sua falta pode afetar a tireoíde do feto a partir da 8ª semana de gestação.
Excesso – Uma super dose cutânea pode suprimir a atividade tireoideana.

 

Sal de cozinha iodado, mariscos, peixes, leite, fígado, lagostas, ostras, sardinhas, moluscos

Flúor (F)

É considerado como essencial devido ao seu efeito benéfico no esmalte dental, conferindo resistência máxima às cáries.

Carência – cárie dental.
Excesso – manchas nos esmaltes dos dentes.

Sua maior parte está na água potável fluorada, Carnes vermelhas, fígado, frango, peixes, mariscos. Nos vegetais depende da qualidade do solo.

FONTE: EMATER-RO

 

 

 A ImpoRtância das Frutas na Alimentação        

 

 

As frutas desempenham um papel muito importante em nossa alimentação. São fonte natural de nutrientes, vitaminas e sais, além de fornecer fibras que contribuem com o funcionamento do intestino e combatem o câncer de cólon. Recomenda-se a ingestão de 3 a 4 porções de frutas ao dia.

Nos meses quentes prefira os frutos com mais líquidos (melancia, laranja, uva...), hidratando assim seu corpo.Verifique abaixo as principais propriedades das frutas mais comuns no Brasil:  

 

 

Abacate

                      
           

 

 

 

 

 

O abacate é uma fruta de sabor neutro e altamente perecível quando maduro, tem grande valor alimentício.

            O abacate é rico em vitamina E, gorduras monoinsaturadas (a mesma do azeite de Oliva), vitaminas, sais minerais e glutationa, um poderoso antioxidante. Seu acentuado valor energético é relacionado ao seu conteúdo em gorduras, responsável pelo aumento do colesterol HDL (considerado o bom colesterol, pois protege as artérias ao invés de destruí-las). A cada 100 gramas de abacate fornecem 162 calorias.

:O abacate beneficia as artérias, reduz o mau colesterol e dilata os vasos sangüíneos. Sua gordura age como antioxidante, bloqueando a toxidade do colesterol LDL, que destrói as artérias. Além disso, é um poderoso bloqueador de trinta agentes cancerígenos diferentes. Do abacate se extrai um azeite muito bom para combater localmente a dor reumática e dor da gota. O chá da folha do abacateiro tem fama de ser diurético e carminativo. É usado para eliminar cálculos renais e gases intestinais. O caroço tostado e moído bem fino combate a diarréia e a desinteria



Abacaxi
       

  

 

 

 

 

É universalmente conhecida, é uma fruta sucosa, saborosa, ligeiramente ácida e muito refrescante. Rico em vitamina C, betacaroteno (provitamina A), vitaminas do complexo B e minerais como potássio, manganês e cálcio. Além disso, também contém uma poderosa enzima, a bromelina, que segundo recentes pesquisas, pode ajudar na redução de inflamações de muitas causas e ajudar na digestão. A cada 100 gramas de abacaxi fornecem 52 calorias.

 O abacaxi ajuda a dissolver coágulos sangüíneos, a reduzir inflamações, a acelerar a cicatrização de tecidos e na digestão. Além disso, é antiviral, antibacteriano e um bom alimento para prevenir a osteoporose e as fraturas ósseas, devido ao seu alto teor de manganês.


 

Açaí 

 

 

 

 

 

Embora venha de longe (da Amazônia), está conquistando o gosto das demais cidades brasileiras. Há duas variedades de açaí: o roxo e o branco.

O roxo tem polpa cor de vinho. Isso justifica o nome do suco que se extrai dessa polpa.

Do açaí branco faz se um suco creme-claro. O conteúdo em fibras é alto, o que favorece o trânsito intestinal. É rico em cálcio e boa fonte de sais minerais como fósforo e ferro. Cem gramas de açaí fornecem 247 calorias.

 


Acerola    
                      

  Muito rica em vitamina C, também é fonte de betacaroteno, vitaminas do complexo B e dos minerais cálcios, fósforo, ferro, magnésio e manganês.Valor Calórico: 100 gramas de acerola fornecem 32 calorias.

Ajuda a manter as defesas do corpo e, provavelmente, reduz o risco de alguns tipos de câncer. Além disso, pode diminuir a taxa de colesterol no sangue e é boa fonte de potássio, que ajuda a regular a pressão arterial.


 

Banana
           

 

 

 

 

Um dos principais produtos da fruticultura brasileira, a banana, além do ótimo aroma e sabor que possui, é um alimento altamente energético, cujos hidratos de carbono são facilmente assimilável, apresenta boas quantidades de vitaminas do complexo B, vitaminas C e é ótima fonte de potássio. A cada  100 gramas de banana prata fornecem 89 calorias.

Por ser rica em potássio, ajuda a evitar e a regular a hipertensão arterial. As bananas maduras são eficientes para controlar a diarréia, ajudam no sono e melhoram o humor.

A banana é bastante consumida quer na forma crua, cozida, assada ou frita, além de fazer doces e comportas saborosas.

 


Caju

 

 

 

 

 

 

O caju é  riquíssimo em vitamina C, em fonte de betacaroteno (provitamina A), vitamina do complexo B e dos minerais cálcios, magnésio, manganês, potássio, fósforo e ferro. Além disso, fornece carboidratos e sua castanha é uma boa fonte de proteínas e gorduras. A cada 100 gramas de caju fornecem 36,5 calorias.

 O caju fornece um potente antioxidante, vitamina C, que também,previne resfriados e ajuda na cicatrização de feridas e lesões. Além disso, auxilia na contração muscular, pelo seu conteúdo em minerais. Das folhas novas do cajueiro pode se extrair um suco muito utilizado contra aftas e cólicas intestinais. A raiz pode ser utilizada na medicina como laxante.


Caqui

 

 

 

 

 

É boa fonte de cálcio, fósforo, sódio. Possui também um bom teor de betacaroteno (provitamina A), que é um dos principais antioxidantes utilizados contra o envelhecimento. A cada 100 gramas de caqui chocolate fornece 74,4 calorias. Caqui japonês: 86,7 calorias. Caqui paulista: 62,1 calorias.

 O caqui auxilia no funcionamento intestinal devido ao seu teor de fibras e, por ser rico em betacaroteno, possui ação sobre os dentes, pele, olhos, unhas, cabelos e na defesa do organismo.

 


Coco

 

 

 

 

 

O valor nutritivo do coco varia com seu estado de maturação, apresentando bom teor dos sais minerais potássio, sódio, fósforo e cloro. Sua polpa é rica em fibras e bastante calórica. A cada 100 gramas de coco maduro fornecem 266 calorias.100 gramas de água de coco fornecem 22 calorias.

 A polpa do coco é rica em fibras, auxiliando no bom funcionamento intestinal. Seu conteúdo em potássio, tanto na água como na polpa, auxilia no bom funcionamento do coração, mantém a pressão arterial em bons valores, protege a função neuromuscular e mantém o equilíbrio das células. Além disso, sua água ajuda a recuperar os organismos desidratados.

 

 

Castanha do Pará         

                                     

È indispensável aos desnutridos, aos desmineralizados, aos anêmicos, aos débeis, aos tuberculosos. Recomendada como um alimento que não deve faltar na alimentação das crianças, das gestantes e das lactantes.

            A castanha do pará é muito rica no seu valor nutritivo. Em calorias, nada perde para a noz e leva vantagem em relação à amêndoa. Em proteínas, praticamente se equipara a essas duas frutas Européias.

            A proteína da castanha do pará que é a excelsina, é de alto valor biológico, por se reconhecida como completa. Ela e riquíssima em gordura e possui um elevado valor de fósforo, sendo recomendado tanto para pessoas de serviços braçais como atividades intelectuais.

            Temos, pois , nesta castanha, um alimento genuinamente brasileiro, cujo altíssimo valor nutritivo lhe assegura um lugar de destaque entre os mais ricos produtos que devem fazer parte da nossa mesa.

 

 

 

 

Damasco
                   

 

 O damasco é rico em betacaroteno (provitamina A), fibras solúveis, potássio, ferro e cobre. A cada 100 gramas de damasco fresco fornecem 54,1 calorias.Desidratado: 130,8.

 Por ser rico em betacaroteno, ajuda a evitar doenças do coração, derrame, catarata e algumas formas de câncer. Além disso, contribui para regular a pressão arterial, estabilizar as taxas de açúcar no organismo e previne a deficiência em ferro no corpo.

 

Figo

 

 

 

 

 

 

É um alimento nutritivo e rico em açúcares. Por isso, é indicado para grandes reposições de energia e bastante utilizado por atletas. Além disso, apresenta potássio, cálcio e fósforo, fibras e niacina (vitamina B3). A cada 100 gramas de figo maduro fornecem 67,6 calorias.Desidratado: 233 calorias.

 O figo é antioxidante, laxante, diurético, digestivo e indicado para pessoas com problemas dos brônquios, gripes e resfriados. Na medicina caseira é usado como vermífugo em crianças.



 


 

Framboesa

                       

 

 É uma fruta rica em carboidratos e fibras (pectina), sendo por isso boa para repor as energias. A cada 100 gramas de framboesa fornecem 57 calorias.

 Possui atividade antiviral, anticancerígena e apresenta alto teor de aspirina natural. Além disso, as folhas da framboesa possuem um efeito antidiarréico e antiinflamatório.

 


Goiaba
                      
goiaba.jpg (359283 bytes)

 

 

Além de ser riquíssima em vitamina C, a goiaba apresenta também vitamina A e vitaminas do complexo B (principalmente Niacina). Sua casca é rica em fibras e sua poupa em pectina (fibra solúvel). A cada 100 gramas de goiaba fornecem 69 calorias.

 Por sua riqueza em vitamina C, é uma arma poderosa contra infecções, fadiga, processos alérgicos e hemorragias. Quando consumida com casca, é ótima para o funcionamento do intestino.

 

 

Graviola

 

 

 

 

 

 

A graviola é rica em carboidratos e, por isso, boa fonte energética. Contém também cálcio, fósforo, ferro, vitaminas do complexo B e vitamina C. A cada 100 gramas de graviola fornecem 60 calorias.

 O fruto verde é bastante indicado para combater diarréias. O suco da polpa da graviola tem ação diurética e o chá é muito utilizado pelos diabéticos para baixar a glicose sangüínea.

 


Jabuticaba       

 

jabuticabac3p.jpg (24612 bytes)

 

 

 É uma fruta rica em vitaminas do complexo B, mas possui também, em menor quantidade, vitamina C, ferro, cálcio e fósforo . A cada 100 gramas de jabuticaba fornecem 44,9 calorias.

 Por apresentar vitaminas do Complexo B, a jabuticaba ajuda a evitar problemas na pele e o reumatismo. É também essencial ao crescimento e evita à queda dos cabelos. Além disso, suas cascas cozidas auxiliam no combate a diarréia e disenteria.

 


Jaca

jaca.jpg (46776 bytes)

 

 

 

 

 

 

É rica em vitamina A, do complexo B, fibras e em sais minerais como cálcio, ferro e fósforo. O fruto é enorme - chega a pesar até 15 kg -, de forma ovalada ou arredondada, e nasce no tronco e nos galhos mais baixos da jaqueira. Cem gramas de Jaca fornecem 61 calorias.

 


Kiwi

 

 

 

 

 É um alimento rico em vitamina C, E e potássio. A cada 100 gramas de kiwi fornecem 67 calorias.

 Por ser rico em vitamina C, o kiwi possui propriedades antianêmica, antiescorbútica e digestiva. Também é estimulante do apetite e tem propriedades laxantes. É usado tradicionalmente na medicina chinesa para o tratamento do câncer de mama e estômago.



 

 

 

 

Laranja
                  

 

Além da vitamina C e ácido fólico, a laranja possui minerais como cálcio, fósforo e potássio, que a fazem uma boa fruta para o consumo nos dias quentes pois, além de refrescante, repõe energias. Contém ainda fibras (pectina, encontrada na pele que envolve os gomos), flavonóides e óleo, que aumentam seu valor nutritivo. 100 gramas de laranja fornecem, em média, 45 calorias.

Por ser rica em vitamina C, a laranja torna o organismo mais resistente às infecções, dá vitalidade às gengivas e conserva a mocidade, entre outras funções. Possui também propriedades cicatrizantes, auxilia o organismo a absorver o ferro de outros alimentos, a combater estresse e alergias, a diminuir as taxas de colesterol e o risco de alguns tipos de câncer.

 


Limão
                

 

 

 Os principais componentes do limão são o ácido cítrico, a vitamina C e bioflavonóides. A cada 100 gramas de suco de limão verde fornecem 39,2 calorias.

 O escorbuto é uma doença causada por falta de vitamina C no organismo sendo, portanto, o limão um dos melhores remédios para a cura. Vale lembrar, ainda, que o limão também é eficaz contra alergias, estresse, fadiga, gripe, dor de cabeça, congestão, cânceres, processos lentos de cicatrização e outros males.

 


Maçã

 

 

 

 

 

A maçã se destaca pelo seu alto valor em vitaminas do complexo B, C e E, potássio e fibras. A cada 100 gramas de maçã fornecem, em média, 58 calorias.

A maçã tem ação benéfica e protetora em toda a mucosa digestiva. É capaz de vencer todos os desarranjos do aparelho digestivo, desde a diarréia infantil do recém-nascido até certas anormalidades rebeldes do intestino adulto. Além disso, ajuda a regular o sistema nervoso, o crescimento, evita problemas de pele e previne a fadiga mental. A maçã pode, ainda, diminuir a taxa de colesterol no sangue e ajudar no tratamento de reumatismo, gota e artrite.


Mamão
                 

 

É um alimento rico em minerais, potássio, fósforo, cálcio, ferro e sódio, além de conter vitamina C, vitaminas do complexo B e betacaroteno (provitamina A). Apresenta, ainda, papaína, enzima natural que ajuda na digestão das proteínas e pode ser usada para amaciar carnes. A cada 100 gramas de mamão papaya fornecem 36 calorias.

 O mamão tem propriedades laxativas, calmantes, além de ser purificador do sangue. Suas sementes têm ação contra vermes e seu grande conteúdo em betacaroteno o torna um poderoso antioxidante.

 


Manga

 

 

 

 

 

Encontra-se na manga um bom teor de carboidratos, betacaroteno (provitamina A), vitamina C, vitaminas do complexo B, ferro, fósforo, cálcio, potássio, magnésio e zinco. A cada 100 gramas de manga fornecem, em média, 64,3 calorias.

 A manga ajuda a purificar o sangue e um bom diurético. Pura ou em sucos combate a bronquite, tem efeito expectorante e combate à acidez estomacal.

 


Maracujá
                   

 

 O maracujá é uma fruta rica em vitamina C e niacina (vitamina do complexo B). Contém também boas quantidades de ferro, cálcio, fósforo e fibras. A cada 100 gramas de maracujá fornecem 90 calorias.

 Contém uma substância sedativa, chamada passiflorina, indicada como calmante. Já suas folhas são usadas para combater febres e inflamações da pele sem infecções.

È mais utilizado como suco integral, natural ou congelados, e para saborear misturas de outros sucos de frutas. As cascas desidratadas dão boa ração animal e as sementes contêm cerca de 10% de proteína e 20% de um óleo comestível, comparando com óleo de algodão quanto ao valor nutritivo e a digestibilidade.

 


Melancia

 

 

 

 

 

 

Além de doce e muito refrescante, a melancia é muito nutritiva. Possui hidratos de carbono (açúcar), betacaroteno (provitamina A) e vitaminas do complexo B e C. Também apresenta cálcio, fósforo, ferro e muita água. Hoje já se conhece o licopeno e glutationa, compostos que a melancia possui em abundância, que são responsáveis por proteger o organismo contra o câncer e a oxidação celular. A cada 100 gramas de melancia fornecem 31 calorias.

É recomendada para quem tem pressão alta, reumatismo ou gota. O suco de melancia provoca eliminação de ácido úrico, além de limpar o estômago e o intestino. Também é eficaz no tratamento da acidez estomacal, obesidade, bronquites crônicas, problemas de boca e garganta. Além disso, protege contra o câncer e a oxidação celular.

 


Melão

 

 

 

 

 

 

Possui grandes quantidades de betacaroteno (provitamina A), vitaminas C e do complexo B. Além disso, é fonte de fibras e apresenta cálcio, fósforo, ferro, potássio, cobre e enxofre. A cada 100 gramas de Melão fornecem 29,9 calorias.

Por seu alto teor em potássio, é indicado para cardíacos que usam medicação diurética e para pessoas que possuem afecções do fígado, como hepatites, cirrose hepática e cálculos. Também é muito recomendado na prevenção e no tratamento de gotas, reumatismo, artritismo, prisão de ventre e cálculos renais. Além disso, é fortificante, calmante, laxante, diurético e possui atividade anticoagulante, afina o sangue. Para as mulheres na menopausa uma boa notícia: o melão ajuda a normalizar a menstruação e ativa a circulação.

 


Morango

 

 

 

 

 

 

Possui muita vitamina C, betacaroteno (provitamina A), cálcio, fósforo, ferro, sódio, potássio, silício e, em menor quantidade, vitaminas A e B. A fruta possui também boas doses de ácido oxálico, substância que pode causar pedras nos rins em pessoas que tendem a desenvolvê-las. A cada 100 gramas de morango fornecem 39 calorias.

Além de estimular os processos de absorção do organismo infantil, o morango aumenta a resistência às infecções e tem ação anticancerígena.

 


 

 

Nectarina

 

 

 

 

A nectarina é uma fruta que resulta do cruzamento do pêssego com ameixa vermelha.

É rica em vitamina A. boa fonte de vitaminas C e do complexo B, além de sais minerais como cálcio, ferro e fósforo. Cem gramas de nectarina fornecem 64 calorias.

 

 

Pequi   

 

 

È uma fruta típica do cerrado, rica em calorias, proteínas, carboidratos e pró-vitamina A

Mais da metade dela é composta por um óleo comestível. Nutritiva, é importante como como complemento alimentar.


 

Pêra

 

 

 

 

 

 Boa fonte de carboidratos, a pêra também possui doses consideráveis dos sais minerais potássio, sódio, cálcio e fósforo, vitaminas C, provitamina A e, em baixos teores, vitaminas do complexo B. Consumida com casca é boa fonte de fibras. A cada 100 gramas de pêra fornecem 63,3 calorias.

 A pêra contribui para a boa formação dos ossos, dentes e sangue, mantém o equilíbrio interno e o vigor do sistema nervoso. Também é boa no combate a prisão de ventre e inflamações do intestino e da bexiga.



 

Pêssego

                

 

O pêssego é fonte de minerais, como fósforo, magnésio, manganês, cobre, iodo e ferro. É também rico em fibras, carboidratos, e vitaminas A, C e do complexo B. A cada 100 gramas de pêssego fornecem, em média, 51,5 calorias.

 O pêssego é recomendado para manter o bom funcionamento do intestino, combater ao reumatismo e para evitar problemas de pele e do sistema nervoso.


 


Pitanga

 

 

 

 

A pitangueira produz uma fruta doce e ácida. Ela é rica em potássio, cálcio e outros minerais, além de vitamina C.

Ajuda a tratar de pressão alta, reumatismo, verminoses, bronquites, diarréias, febre, anemia, ansiedade, gota, gripe e tosse. A fruta retira o excesso de oleosidade da pele e também previne hemorragias.

 


Tangerina

 

 

 

 

 

 

 Apresenta um bom teor de vitamina C e vitaminas do complexo B, além de betacaroteno (provitamina A) e fibras. A cada 100 gramas de tangerina fornecem, em média, 43 calorias.

 É indicada como diurética, calmante, antiparasítica. Além disso, quando ingerida com o bagaço, facilita a formação de resíduos que melhoram o funcionamento do intestino.


 

Tamarindo 
                                

            O tamarindo é uma fruta, da família das leguminosas. A polpa ácida, agradável, do tamarindo é laxativa e rico em substância hidrocarbonadas, em ácido tartárico e málico, que lhe emprestam seu sabor característico. A cada 100gramas de tamarindo há 236,6 calorias (BALBACH, I). 

            As tisanas preparadas com a polpa são indicadas nas doenças febris, nas irritações intestinais, nas cólicas do fígado, na disenteria. As folhas do tamarindo são consideradas vermífugas.

 

 

Uva

          

 

 

 

 É rica em carboidratos, mas também apresenta pequenas quantidades de vitaminas do complexo B e vitamina C. Fornece boas doses de minerais como potássio, cálcio, fósforo, magnésio, cobre e iodo. A cada 100 gramas de uva fornecem 68 calorias.

 Ajuda a ativar os rins, é um suave laxante e atua contra várias enfermidades do intestino, fígado e abdômen, além de estimular as funções cardíacas. A uva também é um rico depósito de compostos antioxidantes e anticancerígenos.

 Uva vermelha: possui alto teor do antioxidante quercetina. A casca da uva aumenta o colesterol HDL, considerado o bom colesterol e contém resveratrol, que comprovadamente inibe o agrupamento de plaquetas e, conseqüentemente, a formação de coágulos sangüíneos.

Uva verde: tem poderes antibacterianos e antivirais. O óleo da semente da uva também aumenta o colesterol HDL, considerado o bom colesterol.

 

Tabela 02– Composição nutricional de algumas frutas (por 100 g de porção comestível)

 

 

Fruta

Energia (cal)

Proteína

(%)

Gordura

(%)

Carboidrato (%)

Fibra

(g)

Cálcio

(mg)

Potássio

(mg)

Fósforo

(mg)

Abacate

162

1,8

16,0

12,6

1,40

13

347,1

47

Abacaxi

52

0,4

0,2

13,7

0,95

18

82,9

8

Abiu

95

0,4

0,2

22,0

-

13

-

12

Ameixa

66

0,5

0,2

17,8

-

18

299

17

Araçá

37,8

1,0

0,2

8,0

-

14

-

30

Banana

85

1,1

0,2

22,2

-

8

370

26

Caju

36,5

0,8

0,8

8,4

-

50

143,5

18

Caqui

74,4

0,6

0,13

17,71

1,0

7

142,2

45

Carambola

29

0,5

0,10

7,5

-

30

172,4

11

Castanha-do-Para

69,9

17,0

67,0

7,0

2,0

172

519,9

746

Figo (maduro)

67,6

1,35

0

15,55

1,7

36

199,7

60

Goiaba

42,5

0,90

0,10

9,50

-

17

198,5

30

Graviola

60

1,10

0,40

14,90

-

24

-

28

Guabiroba

64

1,60

1,0

13,90

-

38

-

30

Jabuticaba

44,9

0,54

0

11,20

-

9

13,2

60

Laranja

49,0

1,0

0,2

12,2

4,3

41

200,0

20

Lima

50,4

0,8

0,10

12,3

-

55

117,0

36

Limão (suco)

39,2

-

-

9,80

-

23

102,0

10

Maça

58

0,2

0,6

14,5

2,3

7

110,0

10

Mamão

68

0,2

1,0

14,5

-

21

212,1

26

Manga

64,3

0,4

0,3

0,4

1,0

21

154,3

17

Maracujá

90

2,2

0,7

21,2

-

13

360

17

Marmelo

63

0,6

0,3

16,30

-

6

160

15

Nectarina

64

0,6

0

17,1

-

24

294

1

Nêspera

44

10,7

0,2

0,6

-

18

-

14

Noz-Pecan

750

10,4

73

13

-

87

432

353

Pêra

61

0,7

0,4

15,3

-

8

130

11

Pêssego

38

0,6

0,1

9,7

1,4

9

202

19

Pitanga

46,7

1,02

1,9

6,4

-

9

-

11

Tangerina

50

0,80

0,30

10,9

-

41

44,5

18

Uva

69

1,3

1,0

15,7

-

16

158

12

Fonte: Salunkhe et al. (1991) e Franco (1992).

 


 

 


 

 

Tabela 03 – Composição nutricional de algumas frutas (por 100 g de porção comestível)

 

 

Fruta

Ferro (cal)

Sódio (mg)

Magnésio

(%)

Vitamina A

(UI)

Tiamina (mg)

Riboflavina

(mg)

Niacina

(mg)

Vitamina C

(mg)

Abacate

0,70

46,2

18

66,67

70

100

0,80

10,2

Abacaxi

0,50

10,6

15

16,65

80

128

0,82

27,2

Abiu

0,40

-

-

153,16

22

196

0,58

13,2

Ameixa

0,50

2

9

300

80

30

0,5

5

Araçá

1,05

-

-

159,84

60

40

1,30

326

Banana

0,70

1

33

190

50

60

0,7

10

Caju

1,0

12,2

36

53,28

58

50

2,56

35

Caqui

0,26

20,6

31

832,5

50

45

0,80

17,1

Carambola

2,90

22,3

-

1,67

45

45

0,344

23,6

Castanha-do-Para

5,0

81,0

230

23,31

1094

118

7,717

10,3

Figo (maduro)

0,30

31,5

21

33,3

40

70

0,40

7,3

Goiaba

0,70

31,5

-

815,85

190

154

1,2

45,6

Graviola

0,50

-

-

6,66

100

50

0,90

26,0

Guabiroba

3,20

-

-

99,9

40

40

0,50

33,0

Jabuticaba

1,26

8,3

-

0

60

160

2,40

12,8

Laranja

0,40

1

11

200

10

40

0,40

50

Lima

0,20

13,3

-

6,66

40

171

0,14

55,3

Limão (suco)

0,60

29,4

16

6,67

30

10

0,200

79

Maça

0,30

1

8

90

30

20

0,1

4,0

Mamão

0,80

31,80

-

-

-

-

-

20,5

Manga

0,78

23,0

-

732,6

51

56

0,504

43

Maracujá

1,60

29,0

-

233,1

150

100

1,5

15,6

Marmelo

0,60

3,0

-

9,99

36

21

0,708

16,1

Nectarina

0,30

6,0

-

549,45

20

50

1,0

13,0

Nêspera

0,80

-

-

143,19

20

60

0,22

10,0

Noz-Pecan

2,10

3,0

130

66,6

-

-

-

-

Pêra

0,30

2,0

7

20

20

40

0,10

4

Pêssego

0,50

1,0

10

133,0

20

50

1,0

7,0

Pitanga

0,20

-

-

699,3

30

60

0,30

14,0

Tangerina

0,30

20,2

10

39,96

80

40

0,30

4,0

Uva

0,40

3

13

100,0

50

30

0,30

4,0

Fonte: Salunkhe et al. (1991) e Franco (1992).

 

 

 


 

Importância do.Suco de fruta.

 

             Oferecem ao organismo uma quantidade espantosa de nutrientes. Mesmo antes que o sistema digestivo comece a processá-los, os nutrientes que existem no suco começam a agir, protegendo e fortalecendo todas as nossas células vivas, quer façam parte da pele, cabelos, ossos ou dentes, dos órgãos internos, coração ou cérebro.

            Os sucos de frutas naturais são livres de gordura, têm pouquíssimas calorias, suprem seu corpo com água e nutrientes. Satisfaz a sensação de fome, contribuindo contra a obesidade.   

 

Tabela 04. Composição nutricional de algumas frutas antes e após o seu processamento (por 100g de produto).

 

 

Fruta

Condição

Proteínas

(g)

Vitamina A (mcg)

Tiamina (mcg)

Acido ascórbico (mcg)

Abacaxi

Fresco

0,40

16,55

90

27,2

 

Em calda

0,44

43,29

45

4,1

 

Suco em garrafas

0,30

9,99

52

19,0

 

 

 

 

 

 

Laranja-Pera

Fresco

0,60

46,42

40

40,9

 

SLCC*

4,20

-

-

76,5

 

Geléia

0,19

-

-

11,0

 

 

 

 

 

 

Pêssego

Fresco

0,85

1248,75

40

26,8

 

Em calda

0,62

582,75

30

4,0

 

Geléia

-

-

-

11,0

 

 

 

 

 

 

Uva branca

Fresca

0,60

16,55

60

4,6

 

Suco

0,30

-

-

-

 

Passas

2,30

26,64

105

0

*  Suco de Laranja Concentrado Congelado

 

 


 

Bibliografia

 

 

ANGELIS,R.C de. Fisiologia da Nutrição. São Paulo. Edart / Edusp, 1977. 2v.

 

ASSOCIAÇÃO AMERICANA DE SAÚDE PÚBLICA. Profilaxia das doenças transmissíveis.Rio de Janeiro, Organização Pan-Americana de Saúde, 1983.

 

BALBACH,A. As Frutas na Medicina Doméstica. Itaquaquecetuba, SP: EDEL, ed.21ª, 370p.

 

BARRAS, R. Alimentação e povo. São Paulo, Melhoramentos/Edusp, 1977.

 

BRASIL, Cegueira nutricional, uma ameaça às crianças. Zero Hora, Porto Alegre, 08/07/85, Segundo Caderno vida e Saúde, p.3.

 

BRASIL, Ministério da Saúde, Endemias rurais. Métodos de trabalho adotados pelo DNERU. Rio de Janeiro, DNERU, 1968.

 

BREUIL, M. A. Du. Culture des arbres et arbrisseaux  a fruits de table. Paris, G. MASSAN, 1872, 963p.

 

 

BURTON, B. T. Nutrição humana. São Paulo, McGraw-Hill, 1979.

 

CARVALHO, S. P. & SOBRINHO, R. R. Pomar doméstico. Belo Horizonte, 1983,36p.

 

CEBES, SAÚDE EM DEBATE. São Paulo, Cebes, 1980.

 

CHAVES, N. Nutrição básica e aplicada.Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 1978.

 

______. Nutrição e desenvolvimento do cérebro. Rio de Janeiro, O Cruzeiro, 1971.

 

______. Sistema Nervoso, nutrição e educação. São Paulo, Pioneira, 1974.

 

CUNHA, B.C. de A. Medicamentos: fator de saúde.São Paulo, Artpress, 1981.

 

DIERBERGER AGRÍCOLA. Vamos plantar um pomar? Limeira, Derberger Agrícola S.A. 1968, 66 p.

 

DORST, J. Antes que a natureza morra. São Paulo, Edgard Blücher,1973.

 

DUPAIGNE, P. Qualques usages de composante de fruits em matière harmaceutique: Vitamines. Fruts, Paris, 28 (2): 133 – 142, 1973.

 

EMATER –DF. Pomar doméstico. Brasília, Emater – DF, 1984, 35p.

           

ENCICLOPEDIA DE ECOLOGIA – São Paulo, EPU/Edusp, 1979.

 

FERRIJ, R. Calich, V. L. G. e VAZ, C. A.C. Imunologia. São Paulo, Edgard Blücher/ Edusp,1977.

 

FLECK, H. Introduction to Nutrition. London, The McMillan Company,1971.

 

FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS. Desnutrição, pobreza  e desenvolvimento mental. São Paulo, Cadernos de Pesquisa, n. 29, jun.,1979.

 

GAVA, A.J. Princípios de tecnologia de alimentos. São Paulo, Nobel, 1983.

 

GUIA DO TERCEIRO MUNDO, 1984 – 1985. Rio de Janeiro, Terceiro Mundo, 1984.

 

GUIMARÃES, R.(org). Saúde e Medicina no Brasil – Contribuição para um debate, Rio de Janeiro, Graal, 1979.

 

GOMES, R. P. Fruticultura brasileira. São Paulo, Novel, 1972, 446 p.

 

HATCHER, R.A. et al. Planejamento familiar. Rio de Janeiro, Ao Livro Técnico, 1983.

 

IBASE ( Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas). Saúde e trabalho no

Brasil. Rio de Janeiro, Vozes, 1983.

 

MANICA, I. Fruticultura tropical: 1. Maracujá. São Paulo, Ceres, 1981, 151p.

 

______. I. Fruticultura tropical: 2. Manga. São Paulo, Ceres, 1981, 135p.

 

______. I. Fruticultura tropical: 3. Mamão . São Paulo, Ceres, 1982, 254p.

 

______. O Pomar Doméstico.

 

MARCONDES,R. S. (coord). Saúde na escola.São Paulo, Ibrasa, 1980.

 

MELLO, C.G. e CARRARA, D. Saúde oficial, medicina popular.Rio de Janeiro,

Marco Zero,1982.

 

 

FRANCO, N. Nutrição Clínica.Disponível em: < http//www.baxter.com > acesso em:

25/06/2004.

 

ROTMAN, R. A cura popular pela comida.2ª ed. Rio de Janeiro, Record, 1984.

 

SINGER, P. et all. Prevenir e curar: O controle social através dos serviços de saúde. Rio de Janeiro, Forense, 1978.

 

SOUZA, C. M. de. As vitaminas na alimentação humana – Estudo sobre a banana, mamão, laranja, abacaxi, repolho e alho. Belo Horizonte, ESLOC, 1976, 18 p.

 

UFRPE. A importância do consumo de acerola para a saúde humana em virtude do seu alto teor em vitamina “C”. Recife, UFRPE, 1984, 3 p.

 

WEINBERG,M.  O Menu que Prolonga a Juventude. Revista Veja, ed. Abril, nº 22, 02/06/04, 97 –103p.

 

 


 

Caixa de texto: