A CULTURA DA ACEROLEIRA

 

 

FRANZÃO, A. A.

MELO, B.

 

 

SUMÁRIO

 

Introdução

Aspectos botânicos, florescimento e frutificação

Importância  Econômica, alimentar  e social

Variedades

Condiçoes  Climáticas Hídricas e Solo

Clima

Propagação

Tratos Culturais

Podas de formação e corretiva

Irrigação

Cultura intercalar

Nutrição, adubação e calagem

Pragas

Doenças

Produtividade e colheita

Custo de produção

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

 

 

 

 

 

Introdução

 

Nos últimos anos, o cultivo da acerola (Malpighia punicifolia Linn.), vem se destacando no Brasil, principalmente pela adaptação da planta ao clima tropical e subtropical.

Em vista sua origem tropical, a planta se adapta muito bem às condições climáticas do norte e nordeste do Brasil; sua cultura tem apresentado possibilidades de cultivo, mesmo nas regiões de latitudes mais elevadas, resultando na sua exploração em todos os estados brasileiros.

Por muito tempo, essa “cereja tropical”nascida nas Antilhas permaneceu florescendo e frutificando em terras americanas, sem provocar maiores atenções. O interesse pela acerola e os estudos sobre suas potencialidades econômicas, no entanto, só foram despertados a partir dos anos 40, quando cientistas porto–riquenhos encontraram na fruta, altos teores de ácido ascórbico, ou seja, vitamina C, seu índice chega a ser cem vezes superior das frutas cítricas ou dez vezes maior que o da goiaba, tidas como as frutas de maior alto conteúdo de vitamina C, e como se sabe esta vitamina é uma das mais importantes para o homem, usada pela medicina moderna para tratamento ou prevenção de mais de quarenta doenças diferentes. Tratada como segredo de estado a pequena fruta foi trazida ao Brasil, no ano de 1956 e graças ao trabalho desenvolvido pelo Departamento de Agronomia da (Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE,1984), foram plantadas 245 sementes e apenas 10 germinaram e se transformaram em plantas produtivas, nos anos 80 a UFRPE patrocinou e desenvolveu uma campanha de conscientização sobre os valores nutricionais da acerola, e suas possibilidades de uso. É provável que a maior parte das mudas plantadas no Brasil, tenham sido geradas a partir daquelas primeiras matrizes.

Muita gente denomina a acerola ou cereja–das–antilhas de cereja do Pará, o que é incorreto. É que os colonizadores portugueses, chegando ao Pará, encontraram ali a Britoa triflora, que os nossos índios chamavam de ibabirapa e, em sua semelhança com a cereja-da-europa, denominada em Portugal de ginja ou jinja, designaram-na simplesmente cereja-do-pará.

Com um agradável aroma e sabor, aceita pela maioria dos consumidores, pela precocidade de produção e sua riqueza em vitamina C, a acerola vem despertando grande interesse por parte dos consumidores, produtores, indústrias e exportadores dentro da fruticultura nacional e mundial.

Embora a acerola tenha grande possibilidade de produção no Brasil, ela representa problema na fase de comercialização dos frutos pela sua grande sensibilidade depois de maduros, deteriorando-se em poucos dias.

É importante salientar que, ao contrário da maioria das nossas frutas de exportação, a acerola registra um índice ascendente de consumo no mercado interno, e verifica-se possibilidade real e potencial, de o Brasil conquistar e ampliar sua pauta de exportação com a acerola. Nesse contexto, o cultivo dessa fruta se destaca como uma alternativa agrícola real.

 

 

 

 

 

Aspectos botânicos, florescimento e frutificação.

 

Quando começaram os estudos da classificação botânica da aceroleira de acordo com Simão (1971), causou grande confusão, sendo inicialmente denominadas de Malpighia punicifolia e Malpighia glabra. Informa esse autor que o nome Malpighia, foi dado em honra do fisiologista italiano Marcello Malphigi, um dos pesquisadores que fez uso do microscópio para estudar estruturas animais e vegetais. A classificação da acerola despertou o interesse de taxonomistas de Porto Rico, que chegaram à conclusão que a cereja das Antilhas é uma planta híbrida de Malpighia punicifolia e Malpighia glabra (Simão, 1971).

Em 1753, a acerola foi classificada por Linaeus, citado por Argles (1976), como Malpighia glabra. Poucos anos depois, em 1762, o mesmo botânico deu o nome de Malpighia punicifolia a uma espécie similar ou idêntica.

Ainda de acordo com Argles (1976), o Dictionari of Gardening da Real Sociedade de Horticultura listou separadamente as duas espécies, descrevendo a M. glabra como uma árvore pequena, medindo cerca de cinco metros de altura, e a M. punicifolia (sonômino de M. biflora) como uma arbusto de 2,4metros de altura. Moscoso citado por Argles (1976), informa que em Porto Rico os botânicos preferem designar a aceroleira como Malpighia punicifolia. Alguns sugerem que a Barbados cherry, a acerola cultivada nesse país, pode de fato ser um híbrido das espécies mencionadas.

Asenjo, citado por Alves (1992), informou que novos estudos haviam permitido concluir que Malpighia glabra L. e Malpighia punicifolia L. são sinônimos, embora se apliquem a uma espécie diferente de acerola. Informou por outro lado, que seu nome correto é Malpighia emarginata Dc.

Ruehle, citado por Simão (1971), esclarece que Malpighia glabra L. é um arbusto de tamanho médio, com 2 a 3 metros de altura. Possui ramos densos e espalhados, folhas opostas, com pecíolo curto, ovaladas e elíptico-lanceoladas, medindo entre 2,5 e 7,45 cm. A base e principalmente o ápice das folhas são agudos, de coloração verde-escuro brilhante na superfície superior e verde-pálido na superfície inferior.

O gênero Malpighia inclui cerca de 30 a 40 espécies de arbustos e pequenas árvores, todas elas encontradas em estado nativo nas Antilhas. Em Cuba estão presentes aproximadamente 20 espécies de Malpighia; em Porto Rico existem apenas seis, duas das quais são endêmicas (International Bord Plant GeneticResources, 1986). Ledin (1958) informa que o gênero Malpighia inclui apenas 15 a 20 espécies importantes.

De acordo com Asenjo (1959), há contradição no que respeita à espécie a que pertence a aceroleira cultivada em Porto Rico, uma vez que para muitos botânicos Malpighia punicifolia e Malpighia glabra não são espécies distintas, mas sim formas botânicas diferentes da mesma espécie. Asenjo menciona ainda que segundo Williams, um botânico da Guatemala, a acerola encontrada em Porto Rico é uma forma atípica de Malpighia punicifolia; Ledin (1958) acrescenta que o nome correto é Malpighia glabra. A denominação mais comum em Porto Rico, entretanto, é Malpigia punicifolia.

Uma vez que os pomares de acerola existentes no Brasil são oriundos de Porto Rico, acredita-se que sejam formados, essencialmente, a partir de Malpighia glabra e/ou Malpighia punicifolia. É importante assinalar que em pomares implantados na região do Submédio São Francisco existem plantas glabras que não produzem irritação na pele durante a colheita. Outras, entretanto, causam forte irritação quando em contato com a pele humana, devido à presença de pêlos nas folhas. Esta observação reforça a hipótese da existência, no Submédio São Francisco, de Malpighia glabra e Malpighia punicifolia.

De acordo com Ruehle, citado por Simão (1971), as inflorescências da aceroleira acham-se dispostas em pequenas cimeiras axilares, pedunculadas, com três a cinco flores perfeitas, medindo 1 a 2cm de diâmetro. Sua coloração evolui do rosa-esbranquiçado ao vermelho. O cálice possui entre seis e dez sépalas sésseis; a corola compõe-se de cinco pétalas franjadas, ou irregularmente dentadas, apresentando dez estames perfeitos.

As flores surgem sempre após um surto de crescimento vegetativo. Podem tanto originar-se na axila das folhas dos ramos maduros em crescimento como nas axilas das folhas do ramo recém-brotados.

Segundo Simão (1971), foram realizados estudos sobre a receptividade do estigma e sobre a deiscência da antera. Ficou caracterizada a não ocorrência de dicogamia e a ocorrência de dicogamia e a ocorrência tanto de autopolinização como de polinização cruzada. Para esse autor, tudo indica que a polinização cruzada responde, em alguns casos, pelo maior tamanho do fruto.

Na observação de áreas de plantio comercial tem-se constatado a presença persistente e contínua de abelhas sobre as folhas abertas, o que pode iniciar ser este inseto um polinizador eficiente para a cereja das Antilhas. Algumas espécies de Malpighia polinizadas por abelhas, entre as quais a M. emarginata, respondem com uma alta taxa de frutificação efetiva (International Board Plant Genetic Resources, 1986).

Os frutos da aceroleira são drupas de forma bastante variável. Há frutos arredondados, ovalados ou mesmo cônicos. Sua cor, quando maduros, pode ser vermelha, roxa e amarela. Está característica é muito importante, pois a indústria de processamento, que prefere os frutos de coloração vermelha, descarta os verdes ou amarelados. Constata-se também que as acerolas crescem isoladas ou em cachos de dois ou mais frutos, sempre na axilas das folhas.

Os frutos da aceroleira são pequenos; seu peso varia de 3 a 16 gramas, em função basicamente do potencial genético da planta e das condições do cultivo. Em geral, o tamanho dos frutos que crescem isolados é maior que o dos que formam cacho. Segundo Arostegui e Pennock (1955), a acerola apresenta um conteúdo médio de vitamina C de aproximadamente 2% e um rendimento médio de suco entre 59 e 73% do seu peso.

Arostegiu e outros (1955) destacaram que o teor de vitamina C do futuro pode ainda variar em função da época da colheita. Campillo e Asenjo (1957) informam, por sua vez que o teor de ácido ascórbico da acerola decresce a medida que esta vai amadurecendo.

A formação do fruto ocorre muito rapidamente. Constatou-se no Submédio São Francisco que o tempo decorrido entre o florescimento e a colheita é de aproximadamente três a quatro semanas. Este conhecimento é da maior importância para o produtor de acerola, que pode assim programar, com maior perspectiva de acerto, suas atividades de colheita e comercialização da fruta nos mercados interno e externo.

Em geral, as acerolas apresentam três sementes por fruto. Cada semente está inserida num caroço reticulado e mais ou menos trilobado (Simão, 1971). É bastante comum que algumas sementes sejam inviáveis, em virtude do abortamento do embrião, que responde pelo baixo índice de germinação constatado.

De acordo com Batista e outros (1989) e Simão (1971), a acerola ou cereja das Antilhas produz de três a quatro safras por ano. A observação direta de pomares irrigados da região do Submédio São Francisco confirma, entretanto, a possibilidade de produção contínua durante quase todo o ano. Almeida e Araújo (1992) informam que, se receber irrigação e tratos culturais adequados, a aceroleira pode produzir quatro a seis floradas por ano. Esse comportamento se deve basicamente às condições de clima associadas à prática da irrigação, que ao favorecerem vários surtos de crescimento propiciam também a floração e frutificação quase contínua. É importante que a planta seja adequadamente suprida de nutrientes essenciais, sobretudo nitrogênio, e de água após uma floração, pois é comum o abortamento de flores submetidas a condições adversas.

 

Importâncias Econômica, alimentar e social

 

O cultivo da acerola vem acentuando de forma persistente e tem despertado interesse entre os produtores e consumidores brasileiros ou estrangeiros, tanto em natura ou outros sub produtos industriais.

A importância econômica da acerola nas estatísticas é prejudicada pelo fato de que exploração comercial é em escala recente, há pouca informação a seu respeito.

É fácil compreender, a sua grande importância econômica real e potencial, em termos de exportação.

Uma vez que conquistou europeus, japoneses e norte-americanos a acerola será um produto de peso na pauta exportação. No Brasil uma empresa baiana exporta anualmente 85% da sua produção, o equivalente a 1.500 toneladas de polpa (Lucas, 1993).

A exportação da fruta e do suco congelados de acerola são promissores. No Japão, segundo Genthon (1992), o valor dos sucos cultivados sem a aplicação de pesticidas, é 50% maior que ao similares que são usados agrotóxicos. As condições ecológicas das áreas irrigadas do Nordeste, onde o cultivo da acerola é reduzido o emprego de pesticidas permitirão ao Brasil atingir o mercado japonês para exportação.

No Brasil alguns estados já exportam acerola sob a forma de suco, polpa ou fruta congelada para Holanda e o Japão, alem de explorarem o mercado interno. Vaz, citado por Alves (1992), informa que o Japão pretende importar o equivalente a US$ 30 milhões em suco concentrado, polpa e fruta em natura. A produção brasileira de acerola ainda é suficiente para atender a essa demanda.

 

Importância Alimentar e Social

Estudada desde 1946 por diversos pesquisadores, dentre eles Asenjo (1959) e Sena e Pereira (1984), como uma rica fonte de vitamina C, o consumo da acerola deve ser incentivado pois possui grande valor nutricional e medicinal.

Além do alto teor de vitamina C, estão presentes em sua composição doses expressivas de vitamina A, ferro e cálcio. A acerola contém ainda, de acordo com Ledim (1958), tiamina, riboflavina e niacina, além de ferro, cálcio e fósforo, necessário às funções vitais do homem.

Por ter um alto teor de vitamina C, conclui-se que a acerola pode desempenhar um papel importante na alimentação das pessoas.

A acerola é caracterizada de mão-de-obra intensiva, principalmente nas etapas de colheita e classificação dos frutos. Tratando-se de uma fruteira cuja produção nas áreas irrigadas é quase ininterrupta, seu cultivo requer maior contingência de mão-de-obra.

O cultivo da acerola nos projetos irrigados do Nordeste é de suma importância social, para o pequeno fruticultor que terá o fluxo de caixa quase contínuo. Este aspectos e importante, uma vez que o pequeno fruticultor em geral não dispõe de capital de giro.

 

Variedades

 

A acerola é conhecida no Brasil há mais de 50 anos, mas seu cultivo em escala comercial é recente. No Nordeste a área plantada, na maior parte foi instalada sem que fosse necessário conhecimentos tecnológicos sobre as diversas variedades de aceroleiras. Em quase todos os pomares pode ser observado uma escala acentuada de formas e tipos de plantas, e isso tem causado muitas dificuldades aos produtores de acerola, uma vez que a desuniformidade das plantas acarreta perdas na produtividade dos pomares e na qualidade dos frutos. Pode-se encontrar no mesmo pomar, plantas com crescimento distinto e árvores que produzem frutos em cacho e isolados, assim como tamanho formato e coloração diferentes. Essas diferenças trazem problemas ao produtor pois, as atividades agrícolas tornam-se difíceis, perante a diversidade de respostas que se obtém de matrizes com características genéticas diferentes.

É necessário que os pomares sejam formados a partir de variedades bem definidas , contendo características agronômicas e tecnológicas adequadas.

Tendo consciência da necessidade de instalação de pomares de aceroleiras com germoplasma caracterizado e selecionado, alguns estados do Nordeste vem desenvolvendo pesquisas no sentido de introduzir, caracterizar, selecionar e difundir plantas com qualidades agronômicas e tecnológicas comprovadoras e de interesse comercial.

A variedade ideal de acerola para cultivo em áreas irrigadas do Nordeste, teriam que reunir características consideradas essenciais, com alto nível de produtividade (próximo a 100 kg/planta/ano) e os frutos com coloração vermelha e peso superior a 8 – 10 gramas e teor de vitamina C acima de 2.000 mg/100g de polpa.

Dadas essas características, deve-se buscar a seleção de plantas desprovidas de pêlo urticantes, que podem acarretar sérios problemas à operação de colheita, buscando plantas que produzam frutos mais rígidos e resistentes ao transporte. É necessário que o material selecionado possua resistência ou tolerância a esse fitopatógeno.

As acerolas são classificadas em doces e ácidas. Sendo que as acerolas são mais ricas em ácido ascórbico. Simão (1971) informa que no Havaí foram selecionados os seguintes clones: Grupo doce – 4-43 (Mamoa); 9-68 (Rubi Tropical) e 8E-32 (Rainha do Havaí). No grupo ácido destacam-se: 3B-21 (J. H. Beaumont); 22-40 (C. F. Rehnborg) e 3B-1 (Jumbo Vermelho).

Na Estação Experimental Agrícola da Universidade de Porto Rico, onde se testaram diversas seleções de variedades clonais de acerola, foram recomendadas, para as condições locais, as seleções B-15 e B-17. A seleção B-15 caracteriza-se por ser produtiva e gerar frutos com alto conteúdo de vitamina C. A seleção B-17 produz frutos maiores, fáceis de colher e adequados para comercialização como fruta fresca (Marty e Pennok, 1965). Os trabalhos de seleção realizados na Flórida destacam a variedade Flórida Sweet como resistente a algumas doenças fúngicas (International Board Plant Genetic Resources, 1986)

 

Variedades doces:

 

Manoa Sweet: Apresenta copa ereta e estendida. É vigorosa, prolífica e tem tendência a produzir muita ramagem, líder, atingindo até 5m de altura. Seus frutos são de coloração amarelo avermelhada quando completamente maduros. São doces, de bom sabor. É recomendada para plantios caseiros.

Tropical Ruby: O hábito de crescimento lembra a anterior, necessitando de controle para desenvolver tronco único. Não podada, pode atingir 5m de altura. Boa produtora, seus frutos são idênticos aos da Manoa Sweet.

Hawaiian Queen: Seu hábito de crescimento é ereto, esparramado e aberto. Igualmente, deve ser conduzida de maneira a formar tronco único, o que pode ser praticado cem menor esforço que as anteriores.

 

Variedades ácidas:

 

J.H.Beaumont: Este clone é compacto, baixo, com ramagens densas e hábitos de crescimento que pode ser facilmente conduzido para formar arbusto de tronco único. Tanto a produção de frutos como a de ácido ascórbico  são boas. Fruto grande, com coloração laranja avermelhada quando completamente maduros.

C.F.Rehnborg: A planta é de formação compacta, densamente ramificada, podendo ser facilmente conduzida para formar tronco único. Embora altamente produtiva, comparativamente seu teor em ácido ascórbico é baixo. Apresenta fruto grande com coloração laranja avermelhada, passando a vermelho-escuro quando completamente maduro.

F. Haley: Forma boas árvores para pomares, sendo facilmente conduzida para formar tronco único, e tem hábito de crescimento ereto. Seus ramos são alongados, com ramagem lateral não esparramada. Os frutos, de tamanho médio, têm coloração vermelho-púrpura quando plenamente maduros. Esta variedade adapta-se melhor às áreas mais secas.

Red. Jumbo: Possui tronco único e crescimento compacto; ramagem bem distribuída e hábito de crescimento baixo. Embora seja arbusto baixo, a porcentagem de frutificação é relativamente alta e o fruto grande, pesando 9,3g, em média; é de coloração atrativa, passa do vermelho-cereja para o vermelho-púrpura quando em plena maturação.

Maunawili: Embora não se destaque quanto ao conteúdo de ácido ascórbico, demonstrou superior performance nas áreas bastante chuvosas e seu fácil e manejável crescimento fizeram dela um clone desejável. Desenvolve tronco único e exige pouca ou nenhuma posa; seus ramos são eretos e ao mesmo tempo compactos. As folhas geralmente pequenas e estreitas. Seus frutos são pequenos, vermelho-cereja e até vermelho-púrpura quando bem maduros.

 

Condições Climáticas Hídricas e Solos

Clima

 

A acerola ou cereja das Antilhas, é planta rústica, desenvolvendo-se em clima tropical e subtropical, quando adulta (madura) suporta temperaturas de até 0º C.

Segundo Simão (1971) e Almeida e Araújo (1992), a acerola se adapta bem à temperatura média em torno de 26º C.

Durante o período seco e frio a planta permanece estacionária, o que é normal, e quando a temperatura se eleva, a vegetação e o florescimento mantêm-se constantes. Sua frutificação acontece na primavera-verão. A altitude pode ser de 0 nível do mar até 800m ou mais. Por ser de clima tropical e subtropical, com chuvas ou irrigações distribuídas em torno de 1000 a 2000 mm, poderá haver uma grande produção de frutos de maior tamanho. As chuvas excessivas ultrapassando 1600 mm podem ocasionar frutos com menos vitamina C e aquosos.

Para Marty e Pennock (1965), a acerola não exige solos específicos. Os mais indicados são os de média fertilidade e os argilo-arenosos por reterem maior teor de umidade. Entretanto, certos cuidados devem ser tomados, como a fertilização adequada dos terrenos, arenosos e a drenagem das áreas de solos mais pesados onde pode ocorrer salinação e evitando, nos solos mais arenosos as áreas infestadas por nematóides.

 

Propagação

 

A aceroleira é uma planta considerada de propagação simples, dado que pode ser multiplicada por vários processos. Ela se propaga facilmente com o emprego de sementes, estaquia e enxertia (Amaral, 1992; Matry e Pennock, 1965; Holmquist, 1966; Bezerra e outros, 1992).

O fato da aceroleira ser uma planta autofértil podem-se obter plantas praticamente idênticas, com a utilização da propagação por meio de sementes (Simão, 1971). Nos plantios em grandes escalas, entretanto, essa modalidade de propagação só deve ser adotada se as sementes provierem de frutos colhidos em áreas formadas com plantas uniformes, portadoras das melhores características produtivas e comerciais, pois desse modo se reduz o risco da geração de matrizes geneticamente indesejáveis.

As mudas a partir de sementes podem ser formadas em canteiros com 15 cm de altura, e 120 cm de largura e comprimento variável em função das características da propriedade. A semeadura pode ser feita em caixa de madeira ou similar, utilizadas como germinador, medindo 15 cm de largura ou em recipiente de polietileno preto com 20 cm de altura e 15 cm de diâmetro. Alguns viveiristas produzem as mudas em recipientes de polietileno de 6 cm de diâmetro e 25 cm de altura, reduzindo assim o custo de produção, devido ao maior número de mudas transportadas por unidade de área.

As sementes devem provir de frutos fisiologicamente maduros, dos quais são extraídas, sendo em seguida lavadas e postas a secar à sombra. A germinação ocorre em geral dentro de 20 a 150 dias; seu índice é de 20 a 30%, em virtude da ocorrência freqüente de abortamento do embrião (Marty e Pennock, 1965). A proteção contra a insolação direta e as regas diárias são práticas indispensáveis ao sucesso na germinação das sementes.

Diversos trabalhos comprovam, por outro lado, a viabilidade da propagação assexuada mediante o enraizamento de estaca. Esse método, assegura maior precocidade na produção, assim como a transmissibilidade das características genéticas da planta propagada. Pomares implantados na região do Submédio São Francisco com mudas propagadas por estaca iniciaram a frutificação entre cinco e doze meses após o plantio no local definitivo.

Embora a multiplicação por estaca seja um método mais difícil e de custo de produção mais elevado, sua adoção é preferível, pois com ele se obtêm, com certeza absoluta, plantas não só uniformes como portadoras de características determinadas. O material propagativo usado na estaquia deve ser coletado a partir de matrizes pré-selecionadas, comprovadamente produtivas e livres de pragas e doenças. As estacas com folhas devem ser túrgidas, e plantadas de imediato, pois comprovou-se na prática um maior percentual de enraizamento.

Pesquisas realizadas por Nascimento (1991) em casa de vegetação, utilizando estacas semilenhosas com folhas, medindo 15 a 20cm de comprimento e 3 a 6mm de diâmetro, coletadas antes da floração e plantadas em substrato de areia, possibilitaram um enraizamento da ordem de 50%, quando se utilizou o ácido indolbutírico em pó na concentração de 6.000ppm. Nos estudos levados a efeito pela Universidade Federal em Areias na Paraíba, nos quais se utilizaram estacas com 20cm de comprimento e diâmetros entre 4 e 8mm, plantadas sem folhas e num substrato de areia, houve o enraizamento de 45% das estacas quando se utilizou o ácido indolbutírico na concentração de 2.400ppm (Alves e outros, 1991).

Bezerra e outros em trabalhos realizados em Goiânia (Pernambuco) com estacas herbáceas coletadas em duas épocas fevereiro e abril - , constataram que o uso dos ácidos indolbutírico e naftalenoacético nas concentrações de 50 e 100ppm, respectivamente não estimulou o enraizamento das estacas. Foi de 87,3% o percentual de enraizamento obtido quando as estacas foram retiradas em abril.

Marty e Pennock (1965) assinalam que na propagação da acerola por meio de estaca, devem-se utilizar as pontas dos ramos vigorosos de plantas jovens. A medida recomendada para a estaca é de 8 a 10 polegadas; no substrato de enraizamento planta-se apenas o seu terço inferior. As estacas, que devem ser tratadas com ácido indolbutírico, são colocadas para enraizar num substrato de areia ou vermiculita e em câmara de nebulização intermitente, de modo a manter a umidade ambiental. Após o período de enraizamento, 50-60 dias, as mudas enraizadas são transplantadas para recipientes individuais com uma altura mínima de 15-20cm.

A propagação da acerola por meio de enxertia, apesar de pouco recomendada, também pode ser utilizada com sucesso (Simão, 1971). Holmquist (1966) relata que, de quatro métodos de enxertia, testados na Universidade Central da Venezuela, o processo de garfagem em fenda cheia possibilitou um pegamento de enxerto da ordem de 86%.

Não obstante a maior rapidez na obtenção da muda de acerola quando se usa a estaquia em lugar da enxertia, o uso deste último método apresenta algumas vantagens comparativas que merecem ser analisadas. As mudas propagadas por enxertia criam um sistema radicular mais vigoroso, o qual explora, conseqüentemente, maior volume de solo. Além disso, a presença da raiz pivotante na muda obtida por enxertia dá maior firmeza à planta no solo, um efeito que deve ser levado em conta, principalmente na implantação de pomares em áreas sujeitas a ventos fortes. Estes, por exemplo, são bastantes freqüentes no segundo semestre do ano nas áreas irrigadas do Nordeste. Ainda que em pequena escala, tem-se observado na região do Submédio São Francisco o tombamento de plantas de acerola multiplicadas por estaca, em conseqüência da ação do vento. Este fato ocorre porque essas plantas, após serem transplantadas para o local definitivo, apresentam um sistema radicular adventício, portanto de localização mais superficial.

Tendo em vista que os estudos sobre enxertia da aceroleira foram levados a efeito na Venezuela, recomenda-se a realização de ensaios experimentais no sentido de se definir o processo de enxertia mais adequado às condições dos ecossistemas brasileiros, principalmente nas áreas de maior incidência de ventos fortes. A EMBRAPA CPATSA (Centro de Pesquisa Agropecuária do Trópico Semi-Árido) está desenvolvendo um ensaio em que considerou três processos de enxertia – garfagem no topo em fendas cheias, garfagem lateral em inglês simples e bolbulhia de placa em janela aberta -, além de dois métodos de produção do  porta-enxertos – viveiro e recipientes. Há evidência de que a enxertia de borbulhia de placa em janela aberta será viável, assim como o processo de garfagem no topo em fenda cheia, este quando realizado sob cobertura de tela.

Cumpre acrescentar que as mudas, quer propagadas por estaquia quer por enxertia, devem ser adquiridas de entidades ou produtores credenciados e idôneos. Este aspecto é de primordial importância, pois o sucesso do empreendimento frutícola depende fundamentalmente da qualidade da muda utilizada.

 

Tratos Culturais

 

O controle das plantas daninhas é uma prática indispensável. A ocorrência dessas plantas causa uma série de transtornos que prejudicam o crescimento d desenvolvimento das plantas frutíferas sofrendo perdas qualitativas e quantitativas e favorecem no aparecimento de pragas e doenças, tal infestação dificulta a inspeção e manutenção dos sistemas de irrigação, aumentando o custo operacional nas áreas irrigadas por sistema de aspersão móveis. Devemos salientar que além dos transtornos mencionados, tem também as dificuldades na hora da colheita.

O controle das plantas daninhas, tem sido feito por capinas manuais na projeção da copa, deixando o mato para ser rebaixado com roçadeiras ou manualmente com ferramentas apropriadas. Na Zona da Mata (Região Nordeste); tem sido comum esta prática no período de chuva.

O controle das plantas daninhas mediante a aplicação de herbicidas é recomendável nas áreas das empresas agrícolas de médio e grande porte, que podem contar com assistência técnica especializada. Neste caso é preciso o conhecimento minucioso não só da população invasora como do herbicida a ser aplicado. Há necessidade de estudos nessa área, envolvendo a aceroleira, de modo a evitar efeitos tóxicos à planta e na contaminação dos frutos a serem exportados, ou comercializados no mercado interno.

 

Podas de Formação e Corretivas

 

As podas na cultura da acerola são fundamentais, em regiões tropicais a planta chega até 9 safras/ano, com colheitas diárias. Podas de formação, limpeza e drásticas bem executadas facilitarão os tratos culturais e na colheita.

Após o pegamento da muda no local definido, serão necessárias podas de formação para conduzi-las em haste única até a altura de 30-40 cm do solo. Esta haste após podada a gema apical, deverá ficar entre 50 a 60 cm de altura, sendo com isto estimulada a brotação das gemas laterais. Estas gemas originarão ramos laterais dos quais serão escolhidos 3 ou 4 ramos eqüidistantes, com alturas diferentes na metade superior da haste permitindo simetria e equilíbrio físico entre os ramos.

Também é importante podas corretivas a fim de eliminar as brotações que surgem nos três ou quatro ramos principais, especialmente os que se dirigem para o solo. Esta poda é para evitar que os ramos cubram o solo na área da projeção da copa e atrapalhe na prática de cultura – irrigação, adubação e cobertura morta.

É necessário eliminar as brotações nas pernadas ou ramos principais até dez centímetros a partir do tronco, inclusive as que se voltam para o interior da copa a fim de que fique mais aberta no centro e arejada. Marty e Pennock (1965) ressaltam que isso permitirá maior penetração de luz solar no dossel vegetal, atingindo ramos e folhas no seu interior.

A poda de ramos indesejáveis deve ser feita assim que necessária para evitar que a planta gaste energia com ramos que mais tarde terão que ser podados. Se feito isto tardiamente, poderá determinar a formação de uma copa defeituosa.

A poda drástica tem sido executada uma vez ao ano, quando a planta já adulta, encontra-se em repouso vegetativo, o que acontece no período de chuva no Norte/Nordeste ou no inverno para outras regiões.

Essa poda é feita visando reduzir a altura da copa em 1,5 a 2,0m, cortando os galhos mais vigorosos e mal localizados, facilitando a operação de colheitas que se concentram na primavera e verão.

A poda corretiva deverá ser feita após cada ciclo fenológico de produção ou quando necessária, de modo a manter as plantas na altura padrão do pomar. Não se recomenda as podas destinadas a estimular a frutificação, pois ainda carece de estudos, e pesquisas antes que tal prática possa ser implementada em pomares orientados para a produção comercial.

É de forma generalizada, que as aceroleiras com maior volume de copa são mais produtivas. Daí a necessidade de agir com cautela no que concerne às podas de frutificação, pois geralmente diminuem o volume da copa da planta o que em algumas espécies prejudicam a produção.

A poda de limpeza é feita durante toda a vida útil das aceroleiras e torna indispensável a manutenção da conformação desejada. Devendo ser feita quando a planta estiver se flores e frutos, sempre que necessário.

 

Irrigação

 

A irrigação na cultura da acerola tem sido usada especialmente em regiões com problemas de insuficiência e/ou má distribuição de chuvas (abaixo de 1.600mm anuais). Á medida que se reduz a disponibilidade de água, diminui o crescimento do sistema radicular e da parte aérea da planta, porém a água em excesso provoca diminuição da qualidade do fruto, reduzindo os teores de vitamina C. o uso da irrigação de forma racional permiti no mínimo a duplicação da produção e o aumento no número de safras.

Segundo Scaloppi (1986), a escolha dos sistemas de rega depende de uma série de fatores técnicos, econômicos e culturais com as condições específicas da propriedade: 1) recursos hídricos (potencial hídrico, situação topográfica, qualidade e custo da água); 2) topografia; 3) solos (características morfológicas, retenção hídrica, infiltração, características químicas e variabilidade espacial); 4) clima (precipitação, ventos e evapotranspiração potencial); 5) culturas (sistema e densidade de plantio, profundidade efetiva do sistema radicular, altura das plantas exigências agronômicas e valor econômico); 6) aspectos econômicos (custos iniciais, operacionais e de manutenção); 7) fatores humanos (nível educacional, poder aquisitivo, tradição, etc.).

Os tipos de irrigação mais utilizados são: aspersão convencional, microaspersão, gotejamento, e por tubos perfurados (Xique-xique), por sulco de infiltração com bacias de captação na projeção da copa e irrigação por mangueira no mesmo estilo.

Os sistemas de irrigação por sulcos e gotejamento são indicados para solos argilo-arenosos; já os sistemas de aspersão e microaspersão se prestam melhor aos solos arenosos e areno-argilosos.

 

Cultura intercalar

 

O plantio de culturas intercalares é viável em pomares de aceroleiras voltadas a exportação, embora esta prática esteja sujeita a algumas restrições. A principal delas diz respeito ao método de irrigação utilizado: a consorciação só é possível quando se adota a irrigação por aspersão ou se for feita no período de chuvas. Nesta época ela pode tornar-se pouco atraente, devido à irregularidade temporal e espacial das precipitações, tal como ocorre, na região Nordeste. O plantio intercalado de aceroleira com outras fruteiras – Principalmente a mangueira – apesar de já ter sido praticado em áreas irrigadas n Nordeste, requer maiores conhecimentos técnicos.

Embora não apresente maiores problemas nos primeiros anos de cultivo, o consórcio entre aceroleiras e mangueiras, pode tornar-se bastante difícil, principalmente depois que as mangueiras iniciam a produção econômica ou quando as copas das fruteiras consorciadas começam a se interceptar. Sérias dificuldades se fazem sentir na tentativa de compatibilizar a irrigação, a adubação e as pulverizações. Estas práticas são especificas de cada cultura e devem ser executadas em épocas predeterminadas, então vai haver uma hora que o produtor terá de eliminar a cultura secundária, para não prejudicar a produtividade da fruteira consorciada considerada principal.

Outro fator que define a espécie da cultura a ser consorciada com a acerola é o sistema de irrigação adotado. Nas irrigações por sulco ou aspersão, as limitações restringem-se apenas às espécies de cultura passíveis de consorciação. Se a irrigação é a localizada, a intercalação de culturas, só pode ser feita entre plantas ao longo da fileira. Porem se o produtor dispuser a movimentar as linhas laterais dos sistemas de irrigação localizada – gotejamento, microaspersão, tubos perfurados, será possível intercalar outras culturas entre as fileiras de aceroleiras.

O alto padrão de qualidade exigida pelo mercado importador de frutas frescas, não é aconselhável a prática da consorciação, já que o produtor de acerola para exportação deve dispensar atenção máxima à obtenção de frutas que atendam aos padrões internacionais de qualidade. Caso isso não aconteça esse produtor terá dificuldades de competir num mercado cada vez mais exigente. Porém, a consorciação deverá ser incentivada durante a fase de formação do pomar de acerola, como uma forma de amortizar ou agilizar o retorno dos investimentos realizados, e a adoção desse sistema poderá ser útil principalmente em pequenas áreas, associando-se a aceroleira com culturas de ciclo curto e tendo em vista, o incremento da renda e da remuneração do fruticultor, bem como o aproveitamento da mão-de-obra familiar.

 

Nutrição, Adubação e Calagem

 

Apesar de o cultivo da aceroleira envolver uma planta rústica facilmente adaptável aos mais variados tipos de solo, requer manejo correto quanto à adubação e nutrição das plantas, principalmente nos pomares orientados para a exportação.

A fertilização é de suma importância em termos percentuais, para o aumento da produtividade. Segundo Lopes e Guilherme (1990), se feita uma aplicação correta o retorno de investimentos realizados reflete-se no aumento da produção por unidade de nutriente aplicado. A ineficiência de fertilizantes significa baixa produtividade e baixo lucro, resultado que pode inviabilizar o retorno dos investimentos.

Para a exportação o manejo racional, dos fertilizantes é fundamentalmente necessário, estas técnicas de manejo básico e essencial, estão a seguir:

a)                      – Análise de solo – É um excelente meio de se diagnosticar, com maior precisão, o fertilizante e a quantidade a ser aplicada.

b)                      – Análise foliar – Tornou-se um importante recurso para a diagnose de problemas nutricionais, principalmente em culturas perenes. Se associada à análise de solo proporciona orientação segura no manejo dos nutrientes ao longo do ciclo fenológico da cultura.

c)                       – Testes de tecidos – Os testes rápidos ou testes de tecidos são muito conhecidos nos Estados Unidos e Europa. No Brasil o seu uso ainda é muito limitado. São utilizados na avaliação nutricional das plantas, sobretudo no que diz respeito a nitrogênio, fósforo e potássio. Feitos no campo, dão uma idéia imediata da situação nutricional do pomar.

d)                      – Observação dos sintomas de deficiência de nutrientes – Permite a identificação visual da deficiência de nutrientes em plantas, com vistas ao diagnóstico e à previsão dos problemas do pomar.

e)                      – Conhecimento dos fatores que afetam a disponibilidade de nutrientes – É fundamental para a tomada de decisões a cerca da aplicação de micronutrientes. Esses fatores, entre outros, o nível do pH do solo e a presença do alumínio em níveis tóxicos.

 

Lopes e Guilherme (1990) assinalam que o histórico da área a ser cultivada é de grande valia na otimização ou maximização do uso e eficiência dos fertilizantes.

No Brasil, há pouca informação disponível a respeito da adubação e nutrição nas condições edafoclimáticas das áreas irrigadas do Nordeste.

Estudos desenvolvidos em Porto Rico, Cibes e Samuels (1955) assinalaram os principais problemas e sintomas de deficiência nutricional na aceroleira cultivada em solução nutritiva:

1 – A eliminação do nitrogênio da solução nutritiva foi o fator que mais deteve o crescimento e a produção das plantas.

2 – A deficiência de fósforo, boro, enxofre e ferro não tiveram efeito tão nocivo sobre o crescimento das plantas quanto o produzido pela carência de nitrogênio, porem diminuiu drasticamente a produção de frutos.

3 – A deficiência de magnésio e manganês produziu efeito pouco significativo sobre o crescimento e a produção das aceroleiras.

4 – A falta de potássio diminuiu o diâmetro dos ramos e o tamanho dos frutos.

5 – A deficiência de cálcio retardou de modo significativo o crescimento das plantas.

6 – Os índices mais altos de nitrogênio foram encontrados em folhas de árvores deficientes em enxofre e ferro.

7 – As plantas deficientes em nitrogênio apresentaram alta concentração de fósforo nas folhas.

8 – As árvores deficientes em fósforo não apresentaram sintoma algum dessa carência.

9 – Os menores níveis de ferro foram observados nas folhas de plantas deficientes em cálcio.

10 – Os sintomas mais sérios de deficiência de nitrogênio provocaram o amarelecimento total e a queda das folhas.

 

Silva e Junior e outros (1988), citados por Alves (1992), observaram que o nitrogênio e o potássio são os elementos extraídos em maior quantidade pelos frutos.

Marty e Pennock (1965) ressaltam a conveniência de suprir fartamente a aceroleira de elementos maiores, principalmente o nitrogênio, sugerindo a aplicação da fórmula 14-4-10, duas vezes por ano na quantidade de 160kg/ha, nos dois primeiros anos da implantação do pomar.

Os adubos devem ser distribuídos em circulo sobre a superfície do terreno, na projeção da copa.

Simão (1971) indica a fórmula 8-8-15 a base de 500g/planta até a idade de quatro anos. Para as plantas adultas, recomenda a mesma fórmula, usando porém 1,5 a 2,5kg/planta em duas aplicações.

Simão (1971) recomenda ainda que até o início da frutificação a planta seja adubada anualmente com esta mistura: 400 gramas de superfosfato de cálcio e 200 gramas de cloreto de potássio. Iniciada a frutificação, recomenda a aplicação da seguinte fórmula: 660 1.000 gramas de sulfato de amônio ou nitrocálcio; 600 a 900 gramas de superfosfato de cálcio e 375 a 500 gramas de cloreto de potássio. Esta adubação que é indicada para áreas dependentes de chuvas, deve ser dividida em duas doses iguais, uma aplicada no início do período chuvoso e a outra no fim desse período, em faixa circular distante entre 20 e 40cm do tronco ou na projeção da copa.

Para as áreas irrigadas do submédio São Francisco, recomenda-se aplicar em fundação (cova) 400-500 gramas de superfosfato simples; 300-400 gramas de cloreto de potássio e 20 litros no mínimo de esterco bem curtido. Durante o primeiro ano recomenda-se a adubação mensal em cobertura e na projeção da copa 30-40 gramas de uréia e 30-40 gramas de sulfato de potássio por planta, adicionando-se a cada seis meses também em cobertura, 20 litros de esterco bem curtido.

As adubações regionalizadas ou generalizadas nem sempre devem ser adotadas indiscriminadamente, sobretudo se não estiverem acompanhadas de uma caracterização detalhada do solo, do manejo e do estádio de desenvolvimento da cultura.

Na adubação orgânica, apesar das poucas experiências realizadas, seu uso é recomendável principalmente por ocasião do plantio e, depois, duas vezes por ano em cobertura sob a projeção da copa. Deve ser incentivado nos solos arenosos da região semi-árida do Nordeste, em virtude da sua pobreza em matéria orgânica e pela proteção que essa adubação oferece contra a insolação direta e a conseqüente evaporação.

A análise química do solo deve ser feita pelo menos a cada dois anos, para que se possa avaliar a necessidade não só da aplicação, de corretivos, como da adequação dos níveis de cálcio e magnésio.

A calagem é recomendada com base no teor de alumínio trocável ou em função dos níveis de cálcio e magnésio no complexo sortivo do solo. Também poderá basear-se no teor de matéria orgânica presente no solo.

Estudos realizados por Hernandez-Medina e outros(1970) relatam que a aceroleira apresentou um sistema radicular mais vigoroso nos solos com pH na faixa de 5,5 a 6,5. As árvores cresceram com maior vigor, apresentaram uma folhagem verde-escuro e propiciaram, maior produtividade. Nos pomares de acerola orientados para a exportação, a calagem constitui-se pois, numa prática indispensável, com vistas à correção do pH do solo, para situá-lo na faixa que melhor atenda às exigências da cultura. Hernandez, (1970) ainda ressalta que a aplicação de calcário aumenta a produtividade i o conteúdo de ácido ascórbico da fruta.

O sucesso da calagem dependerá, das características do corretivo, bem como da dosagem e do método de aplicação do produto.

É indispensável que o produtor dispense cuidados especiais à adubação e à correção do solo, para que possa conseguir na sua atividade frutícola uma relação custo/benefício eficiente.

 

 Pragas

 

Pulgão (Aphis spiraecola)

 

Estes insetos destacam-se na estação seca. Atacam geralmente a extremidade tenra dos ramos -a sua preferida- após um surto de crescimento.

Os pulgões podem causar sérios prejuízos à planta. Ao sugarem a parte final dos ramos, provocam seu murchamento e morte, o que força a planta a gerar brotos laterais. É comum o pulgão atacar flores e frutos em formação, prejudicando a produtividade geral da cultura.

 

 

 

Bicudo (Anthomonus flavus Boheman)

 

Este inseto faz a sua oviposição no ovário das flores e nos frutos em desenvolvimento, que serve como alimento a eles (Marty e Pennock, 1965). Quase sempre os frutos atacados pelo bicudo se deformam. Marty e Pennock sugerem três medidas básicas:

1.       Pulverizar com paration na época do florescimento repetindo dez dias após.

2.       Recolher e enterrar todos os frutos caídos no chão.

3.       Eliminar as outras espécies do gênero Malpighia existentes próximas ao pomar.

 

Nematóides

 

De todas as pragas que atacam a aceroleira, o nematóide é a de maior importância econômica. (Internacional Board. Plant Genetic Resources, 1986). A aceroleira é muito sensível ao ataque dessa praga. Estes parasitos atacam as raízes, induzindo-as a formação de galhas (Marty e Pennock, 1965). As plantas ficam enfraquecidas e se desenvolvem menos na parte aérea e nas raízes que encurtam e engrossam. A infecção das raízes Choud hury e Choud hury (1992), atrapalha na absorção da água e nutrientes do solo, e isso se reflete no crescimento da copa da planta.

A acerola é realmente suscetível aos nematóides segundo Ferraz e outros, porém é resistente a Pratylenchus brachyurus  e a Meloidogine graminicola , Radpholus similis , Rolytenchus reniformis  e Tylenchulus semipenetrans. Pomares no município de Mossoró, Rio Grande do Norte, apresentaram baixo desempenho em virtude da quebra do ritmo do crescimento e produção das plantas, em conseqüência do ataque do Meloidogyne arenaria  e Meloidogyne incognita já mencionados.

Choud hury e Coud hury, 1992, recomendam aos fruticultores seguintes medidas para diminuir a população desses nimatóides.

1.       Obter mudas sadias, produzidas em solos não infetados por fitonematóides.

2.       Utilizar leguminosas como Crotalaria spectabilis e Crotalaria paulinea  para posterior incorporação no solo.

 

Outras pragas

 

Poderá ocorrer o ataque de cochonilhas e cigarrinhas não identificados más de controle simples, com pulverizações para o seu combate.

Simão (1971) informa que em algumas épocas do ano a mosca-da-fruta, Ceratitis capitata, causa prejuízos aos frutos da acerola. Simão recomenda o uso de paration ou óleo mineral para o controle das cochonilhas de enxofre para os ácaros, e de produtos à base de fenthion como isca ou pulverização contra a mosca-das-frutas.

 

Doenças

 

O desmatamento para a implantação da aceroleira implicou na quebra do equilíbrio biológico, como conseqüência, o surgimento de enfermidades até então não relatadas para a cultura da acerola em outros paises produtores.

Marino Neto (1986) e Marty e Pennock (1965) relatam a ocorrência da cercospora (leaf spot) ou mancha-das-folhas como sendo o maior problema da cultura da acerola no Havaí.

O fungo Cercospora bunchosiae , aparentemente só ataca as folhas da acerola em alta precipitação e alta umidade relativa do ar. Essa doença pode causar sérios danos e se caracteriza pela presença de pontuações necróticas medindo 1 a 5mm de diâmetro, arredondados ou irregulares, que amarelecem e caem. Segundo Melendez (1963), nesse caso pode dar-se a desfolhação total da planta.

Marino Neto (1986) informa que os clones ou variedades de frutas mais doces são dotados de grandes resistência a cercosporiose e as ácidas apresentam diferentes graus de tolerância. Para esse autor, os produtos químicos à base de cobre na sua formulação controlam essa doença.

Nas áreas irrigadas do semi-árido nordestino, a cultura da acerola ainda não apresentou nenhum problema fitossanitário associado a doenças. Tampouco nos pomares da região do Submédio São Francisco e de outras áreas irrigadas do Nordeste a presença da cercosporiose. É possível que em climas com baixa umidade relativa do ar, esse problema fitossanitário não aconteça, pelo menos a curto ou médio prazo.

Há duas doenças, que poderão eventualmente atacar os pomares de aceroleira. A verrugose e a antracnose.

 

Antracnose Constitui-se de uma enfermidade da acerola no Brasil, podendo afetar tanto em mudas quanto em plantas adultas, os sintomas da antracnose são, manchas esbranquiçadas, com estreito marrom circundando a área necrosada. Nos frutos infectam e causam manchas pequenas, enegrecidas, as quais podem coalescer aumentando a área necrosada.

Os frutos atacados não se prestam para a exportação se tornando em prejuízos aos produtores.

No Brasil não existem defensivos agrícolas para a acerola, mas em pesquisas em desenvolvimento pela EMBRAPA/CNPAT mostram que o fungo pode ser controlado através de pulverizações preventivas com oxicloreto de cobre e pulverizações curativas com benomil ou tiofanato metílico + chlorotalonil.

 

Verrugose De constatação recente no Brasil, foi identificada pela primeira vez no Estado do Pará (Trindade et alli,1993). Recentemente em Lucena, no litoral da Paraíba. Essa enfermidade se caracteriza por rugosidade nas folhas, principalmente na superfície superior, as vezes com nervura das folhas. Em infecções severas as folhas apresentam limbo retorcido. Os prejuízos mais notórios são notados nos frutos. A rugosidade decorrente da infecção afetam o desenvolvimento normal dos frutos, provocando distorções e atrofiamento, podendo não atingir a maturidade ou terem aspectos externos comprometido. O agente causal da Verrugose é o fungo Sphaceloma sp. Desconhecem-se, até o presente, medidas eficientes para o controle do patógeno sobre a acerola. A doença foi inicialmente encontrada no Havaí.

 

Produção e produtividade

 

A planta oriunda de sementes ou estacas, começam a produzir cedo, ou seja, 2 a 2,5 ou 1,5 anos após o plantio.e frutifica três a quatro vezes ao ano. Em Porto Rico tem-se reportado até sete picos de produção (Simão, 1971). No entanto, em algumas regiões do Nordeste brasileiro, com alta disponibilidade de luz e temperatura e sob irrigação, as plantas advindas de sementes ou estacas tem começado a frutificar em menos de um ano e produzindo praticamente o ano inteiro.

No que se refere ao rendimento alcançado por planta e por hectare, pode-se dizer que este apresenta grandes diferenças entre as áreas cultivadas, dependendo principalmente da variedade ou clone explorado, dos tratos culturais adotados e do manejo da irrigação, entre outros fatores.

É importante salientar que o potencial genético das plantas, ateado às condições edafoclimáticas da região, poderá influir fortemente na produção e produtividade da aceroleira. Plantas conduzidas em áreas de sequeiro em regime de dependência das chuvas, com precipitação anual média em torno de 1.480mm, apresentaram produções entre 2,01 e 27,11kg, com quatro safras ao ano (Batista e outros, 1989).

Registrou-se no campo experimental de Bebedouro, em Petrolina – PE, a colheita de 17Kg/planta em matrizes que iniciaram a produção cerca de cinco meses após o plantio definitivo e num ciclo fenológico de produção de apenas seis meses – junho a dezembro.

É importante frisar que, no caso dos pomares de aceroleira orientados para a exportação a importância do fator quantidade, o peso total dos frutos produzidos é apenas relativa. O produtor de acerola – para consumo in natura ou produção de suco – que estiver interessado em abastecer os grandes centros consumidores interno e o mercado externo, deverá estabelecer, sua meta de produção e um programa rígido e sistemático de controle de qualidade dos frutos produzidos pra que possa conquistar e permanecer num mercado externo altamente exigente e competitivo, é importante que o produtor implante em seu pomar uma plantação de aceroleiras com maior conteúdo possível de ácido ascórbico.

 

Colheita e manejo da fruta

 

A colheita dos frutos da aceroleira destinados ao consumo in natura ou de sucos para fins de exportação deve ser feita de maneira criteriosa, pões o sucesso na comercialização do produto. Por isso os frutos devem ser colhidos, sempre nas horas de temperatura mais amena.

Os colhedores devem ser treinados e conscientizados da importância de evitar que as acerolas sofram pancadas ou danos mecânicos, uma vez machucados ou lesionados terão o processo de deterioração acelerado.

O fator determinante do ponto de colheita é o destino que se pretende dar aos frutos. No caso de congelamento ou processamento, os frutos deverão ser colhidos com coloração vermelho intensa, mas ainda firmes para suportar o manuseio. Neste estádio o fruto apresenta elevado teor de açúcar, baixa acidez e menos teor de vitamina C, entretanto ainda supera cerca de 20 a 30 vezes os frutos cítricos tidos como ricos em vitaminas C.

Os frutos podem ser colhidos no inicio da maturação (verde, verde amarelado ou até o início da pigmentação vermelha) quando se destina a fabricação de produtos em pó, cápsulas, concentrados para o enriquecimento de outros alimentos; deve ser efetuada duas a três vezes por semana, ou diariamente, dependendo do pique de produção, para evitar que caiam depois de determinado ponto de maturação.

As acerolas destinadas a mercados consumidores distantes devem ser colhidas “de vez”, já as vendidas aos mercados locais e indústrias processadoras devem ser colhidas maduras.

Os frutos, principalmente maduros, devem ser acondicionados nas caixas de colheita em poucas camadas, pois o peso das camadas superiores pode provocar o rompimento da casca dos frutos colocados em posição inferior. Deve-se utilizar caixa de PVC de tamanho pequeno, que permitam coluna de frutos até 15cm. No caso de utilizar caixas de PVC tradicionais, preferir as com aberturas laterais ou então protegê-las com plástico esponjoso para evitar injúrias mecânicas no transporte e fissuras provocadas pela grade da caixa.

A operação colheita é, sem dúvida, uma das mais delicadas e de maior custo no cultivo de acerola. No auge da safra e em pomares quase ou já em produção plena, uma pessoa colhe cerca de 40 a 50 kg/fruta/dia.

A lavagem dos frutos deve ser feita em esteiras rolantes adequadas para o uso de jatos d’água fria sobre os frutos.

Seu congelamento deverá ser após a seleção e lavagem, levados para câmara ou túnel de congelamento em recipientes que permitem a passagem uniforme de fluxo de ar frio pelos frutos. O congelamento deve ser realizado no menor espaço de tempo possível. No processo de congelamento lento ocorrem alterações físicas muito drásticas no produto, principalmente formação de cristais de gelo, que podem perfurar as células, liberando enzimas responsáveis pela degradação dos principais constituintes (açúcares, vitaminas, entre outros) e provocam alterações indesejáveis na cor (amarelecimento).

A conservação dos frutos dura algum tempo quando armazenados em recipientes hermeticamente fechados e em temperaturas de refrigeração de 7ºC.

Mustard, procurando conhecer a perda de vitamina C da acerola durante a transformação em geléia, verificou que, após o cozimento, o suco conserva alto teor de vitaminas. Esse ponto é importante pois segundo o autor em geral o cozimento tende a destruir a vitamina C, no caso da acerola o teor se manteve.

Santini, também procurando conhecer a perda do teor vitamínico durante a transformação dos frutos, chegou a conclusão de que o ácido ascórbico pode ser mantido quase integralmente, desde que o suco seja pasteurizado e enlatado imediatamente. Verificou que se mantido à temperatura de 7ºC, por doze meses, a perda de teor de ácido ascórbico é de apenas 18%.

No congelamento assim como na refrigeração, utiliza a diminuição da temperatura para prolongar o período de conservação dos frutos, porém devido a baixa temperatura, ocorre a formação de cristais de gelo nos tecidos, implicando na paralisação, quase por completo e irreversível, de toda a atividade metabólica e na morte da célula seja por congelamento lento ou rápido. Quando o congelamento é lento seguido de descongelamento apresenta uma desestruturação a polpa, permitindo sua utilização apenas em industrias de processamento. Quando se utiliza o congelamento, o tempo de armazenamento se prolonga consideravelmente, viabilizando inclusive a exportação para os paises mais distantes.

 

Custo de produção e receita estimada

 

Os custos de implantação, manutenção e produção de um pomar de aceroleira variam evidentemente, conforme o local em que ele seta instalado, a finalidade da produção e as práticas culturais adotadas.

Dadas as perspectivas e a viabilidade econômica do cultivo da aceroleira nas áreas irrigadas do Nordeste, na Tabela são apresentados os principais coeficientes técnicos da produção dessa cultura na região do Submédio São Francisco. É importante assinalar que essa planilha deverá ser ajustada, no caso da instalação de pomares de aceroleira para fins de exportação em agro ecossistemas diferentes, ou em função de novos conhecimentos gerados.

Na falta de informações sistematizadas sobre os preços praticados nos mercados importadores, estimou-se uma receita bruta a partir do preço que a indústria local paga por frutos de primeira qualidade.

Considerando a possibilidade de que um pomar de aceroleira sob condições irrigadas atinha, após o segundo ano, níveis de produtividade de 18t/ha/ano e que o preço praticado seja de US$0,60/kg da fruta, estima-se uma renda bruta em torno de US$10.800ha/ano, ao preço da primeira quinzena de junho de 1993. Calculando ainda que a produtividade potencial de um pomar após sua estabilização, seja da ordem de 100kg fruta/planta/ano, equivalentes no espaçamento de 4,0 x 4,0m a 62t/ha/ano, um nível perfeitamente atingível pelas aceroleiras, e admitindo a mesma remuneração de US$0,60/kg/fruta ao preço da primeira quinzena de junho de 1993, estima-se uma receita bruta de aproximadamente US$37.000ha/ano.

O custo operacional de produção, a partir do quarto ano, segundo a CODEVASP citado por Viglio (1993), situam-se em torno de US$1.977/ha, não incluindo os custos da infra-estrutura de irrigação.

 

Tabela. Coeficiente técnico para implantação e manutenção da cultura da aceroleira no espaçamento de 4,0 x 4,0m.

 

 

 

Ano I

Ano II

Ano III

Discriminação

Unidade

 

 

 

 

 

Quant.

Quant.

Quant.

1.INSUMOS

 

 

 

 

1.1. Mudas (plantio + replantio)

Um

670

-

 

1.2. Tutores

Um

670

-

 

1.3. Fertilizantes

 

 

 

 

        Uréia

Kg

130

260

260

        Super fosfato simples

Kg

350

-

350

        Cloreto de potássio

Kg

130

260

260

1.4. Corretivos

 

 

 

 

         Calcário

T

2,5

-

-

         Gesso

kg

500

-

-

1.5. Adubo orgânico

 

 

 

 

          Esterco

M3

20

30

30

1.6. Defensivos

 

 

 

 

           Oxicloreto de cobre

kg

-

10

10

           Triclorfon

L

2,0

3,0

3,0

           Formicida

Kg

5,0

3,0

2,0

           Espalhante adesivo

L

01

02

01

           Óleo mineral

L

01

01

01

           Material p/cobertura morta

M3

06

-

-

           Carbamato

L

01

02

02

1.7. Água

M3

16.000

16.000

16.000

2. PREPARO DO SOLO

 

 

 

 

2.1. Roçagem e destoca

H/D

80

-

-

2.2. Aração

H/Trat.

04

-

-

2.3. Gradagem

H/Trat.

02

-

-

2.4. Marcação da área

H/D

03

-

-

2.5. Coveamento

H/D

12

-

-

2.6. Adubação básica e cobertura morta

H/D

10

08

08

2.7. Plantio/Tutoramento/Replantio

H/D

05

-

-

2.8. Calagem

H/Trat.

02

-

-

3. TRATOS CULTURAIS

 

 

 

 

3.1. Coroamento

H/D

9x3

9x3

9x3

3.2. Poda de formação e corretiva

H/D

3,0

5,0

5,0

3.3. Capina mecânica

H/Trat.

4x2

4x2

4x2

3.4. Cobertura morta

H/D

06

06

06

3.5. Pulverização Motorizada

H/Trat.

6x2

6x2

6x2

3.6. Aplicação de calcário e incorporação

H/Trat.

04

-

04

3.7. Pulverização manual

H/D

06

12

12

3.8. Irrigação

 

 

 

 

 

 

Ano I

Ano II

Ano III

Discriminação

Unidade

 

 

 

 

 

Quant.

Quant.

Quant.

3. TRATOS CULTURAIS  (Continuação)

 

 

 

 

3.8. Irrigação

 

 

 

 

        Localizada

H/D

15

15

15

        Aspersão

H/D

50

50

50

3.9. Controle de formiga

H/D

06

04

04

3.10. Colheita

H/D

16

480

1.400

4. OUTROS CUSTOS

 

 

 

 

4.1. Energia p/irrigação (depende do projeto)

 

 

 

 

4.2. Tesoura de poda

Um

02

-

02

4.3. Serrote de poda

Um

02

-

02

4.4. Cordão ou barbante

Rl

04

-

-

4.5. Caixa colheita capacidade 20kg

Cx

10

30

50

4.6. Transporte interno

H/Trat.

05

05

05

            Tabela adaptada de dados da CODEVASF, Diretoria Regional de Petrolina, PE.

            Fonte FRUPEX EMBRAPA – SPI, 1994.

 

 

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

 

ALCARDE, J.C. Corretivos dos solos: Características e interpretações técnicas. São Paulo: ANDA, 1992. 26 p. (ANDA, Boletim Técnico, 6).

 

ALMEIDA, J.I.L. de & ARAUJO, F.E. de. A acerola Instruções preliminares de cultivo. Fortaleza, CE: EPACE, 1992. 6p. (EPACE. Pesquisa em Andamento, 21).

 

ALVES, R.E. Cultura da acerola. In: DONADIO, L.C.; MARTINS, A.B.G.; VALENTE, J.P. (editores). Fruticultura Tropical. Jaboticabal: FUNEP, 1992. p.15-37.

 

ALVES, R.E.; SILVA, A.Q.; SILVA, H.; MASSER, R.S. Contribuição ao estudo da acerola I. Efeitos do IBA e da sacarose no enraizamento de estacas. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE FRUTICULTURA, 11, 1991, Petrolina, PE. Revista Brasileira de Fruticultura, Cruz das Almas, v. 13, n. 2, out. 1991. p. 19-26.

 

ALVES, R.E. Cultura da acerola. In: DONADIO, L.C.; MARTINS, A.B.C.; VALENTE, J.P. Fruticultura Tropical. Jaboticabal : FUNEP/UNESP, 1992. p. 15-37.

 

AMARAL, M.Q.G. do. Efeito de topos de ramos sobre o enraizamento de estacas de acerola (Malpighia glabra L.) em diferentes substratos. Mossoró, RN: ESAM, 1992. 36p. il. Tese de graduação.

 

ASENJO, C.E. Acerola. In: NAGY, S.& SHAW, P.E. Tropical and subtropical fruit-composition, properties and uses. Westport: AVI, 1980. p.341-374.

 

ARGLES, G.K. Malpighia glabra – Barbados cherry. In: GARNER, R.J. & CHAUDHRI, S.A. The propagation of tropical fruit trees. Fernham Royal, UK: FAO/CAB, 1976. p. 386-402 (CAB. Horicultural Review, 4 ).

 

AROSTEGUI, F. & PENNOCK, W. La acerola. Rio Piedras. Universidade de Puerto Rico, Estacion Experimental agrícola, 1955. 9p. (Universidad de Puerto Rico, EEA. Publicacion Miscelânea, 15).

 

BATISTA, F.A.S.; MUGRUET, B.R.R.; BELTRÃO, A.E.S. Comportamento, da aceroleira na Paraíba. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE FRUTICULTURA, 10, Fortaleza, 1989. Anais. Fortaleza, SBF/BNB, 1991. p.26-32.

 

BEZERRA, J.E.F.; LEDERMAN, I.E.; SILVA, M.F.F. da; SOUZA, A.A. de M. Enraizamento de estacas de acerola com ácido endolbutirico e ácido alfanaftalenoacético com baixas concentrações em duas épocas. IN: CONGRESSO BRASILEIRO DE FRUTICULTURA, 12, 1992, Porto Alegre, RS. Revista Brasileira de Fruticultura, Cruz das Almas, v. 14, n. 1, 1992. p. 1-6.

 

CAMPILLO, A. del & ANSEJO,C.F. The distribution of ascorbic acid, dehydroascorbic acid, and diketogulonic acid in the acerola fruit at deferent stages of development. Journal of Agriculture of University of Puerto Rico, v.41, 1957. p. 161-166.

 

CHOUDHURY, M.M. & CHOUDHURY, E.N. Ocorrência de nematóides das galhas em aceroleira irrigada no Submédio São Francisco. Petrolina, PE : EMBRAPA-CPATSA, 1992. 2p.(EMBRAPA-CPATSA. Comunicado Técnico, 50).

 

CIBES, H. & SAMUELS, G. Mineral deficiency symptoms displayed by acerola trees grown in the greenhouse under controlled condition. Rio Piedras: University of Puerto Rico, Agricultural Experiment Station, 1955. 18p. (University of Puerto Rico. Agricultural Experiment Station. Technical Paper, 15).

 

GENTHON, M. Fruticultura: planejamento e administração para o futuro. Manchete Rural, v.5, n.68, 1992. p. 50-51

 

HERNANDEZ-MEDINA, E.; VELEZ-SANTIAGO, J.; LUGO LOPEZ, M.A. Root development of acerola trees afeected by liming. Journal of Agriculture of University of Puerto Rico, v. 54, n.1, 1970. p. 57-61.

 

HOLMQUIST, J.de D. Ensayo comparativo de injertación del semeruco a acerola (Malpighia glabra L.). Proceedings of the Caribbean Region Aerican Society for Horticultural Science v.10, 1966. p. 46-56.

 

INTERNATIONAL BOARD PLANT GENETIC RESOURCES (Rome, Italy). Malpighia emarginata (Acerola). In: INTERNATIONAL BOARD FOR PLANT GENETIC RESOURCES (Rome, Italy). Genetic resources of tropical and subtropical fruits and nuts (excluding musa). Rome, 1986. p. 52-54.

 

LEDIN, R.B. The Barbados or West Indian cherry: Gainesville: University of Florida, 1958. p.28.

 

LOPES, A.P. & GUILHERME, L.R.E. Uso eficiente de fertilizantes: aspectos agronômicos. São Paulo: ANDA, 1990. 54p. (ANDA. Boletim Técnico, 4).

 

LUCAS, A.P. Acerola: suco da saúde conquista o mundo inteiro. Manchete Rural, Rio de Janeiro, v.5, n. 69, jan.1993. p.10-13.

 

MARTY, G.M. & PENNOCK, W. Práticas agronômicas para el cultivo comercial de la acerola em Puerto Rico. Revista de Agricultura de Puerto Rico, v. 52,1965. p. 107-111.

 

MARINO NETO, L.Acerola : a cereja tropical. São Paulo: Nobel, 1986. 94p. il.

 

MELENDEZ, P.L. A cercospora leaf spot of acerola in Puerto Rico. Journal of the University of Puerto Rico. V. 52, 1963. p. 71-73.

 

NASCIMENTO, C.E. da S. Efeito do ácido indolbutírico sobre o enraizamento de estacas semilenhosas de acerola, In: CONGRESSO BRASILEIRO DE FRUTICULTURA, 11, 1991, Petrolina PE.  Revista Brasileira de Fruticultura, Cruz das Almas, v. 13, n. 3, out. 1991. p. 255-257.

 

SCALOPPI, E.J. Critérios básicos para seleção de sistemas de irrigação. Informe Agropecuário, Belo Horizonte. v. 12, n. 139, 1986. p. 54-63.

 

SIMÃO, S. Cereja das Antilhas. In: SIMÃO, S. Manual de Fruticultura. São Paulo: Agronômica Ceres, 1971. cap.15, p. 477-485.

 

TRINDADE, D.R.; POLTRONIERI, L.S.; SILVA, H.M.; ALBUQUERQUE, F.C. Doenças em plantio de acerola (Malpighia glabra) no Estado do Pará. Fitopatologia Brasileira, 18(Suplemento): 280 p. (resumo), 1993.

 

VIGLIO, E.C.B.L. O potencial de acerola. Conjuntura Econômica, Rio de Janeiro, v.47, n.9, p.53-54, set. 1993.